segunda-feira, 24 de junho de 2019

" FALO PORTUGUÊS QUANDO ESTOU FELIZ"


A soberana da Suécia adora comida brasileira, especialmente feijoada, farofa e vatapá, e carrega boas lembranças da infância em terras paulistanas. Não se incomoda que a tratem por tu. Continua a falar português, um dos seis idiomas que domina fluentemente e quase sem sotaque.



Simples e sempre com um sorriso nos lábios, Sílvia não veste o manto da personagem de um conto-de-fadas moderno. Conheceu o Rei Carl Gustav quando trabalhava como intérprete na Olimpíada de Munique, em 1972. Foi amor à primeira vista, mas faz questão de dizer que a vida de Rainha não é nada fácil. É o que conta na entrevista à Gente, concedida durante o trajecto que a levou da capital Paulista até São Vicente, onde visitou um segundo projecto apoiado pela sua fundação. Publicamos um excerto dessa entrevista:

Como é que a senhora consegue manter um português tão bom e fluente?
Desde que a minha mãe morreu não tenho tanta possibilidade de falar português, mas continuo a falar com os meus três irmãos. Falamos sempre por telefone e na maioria das vezes comunicamos em português. É a língua que falamos quando nos sentimos bem, quando estamos felizes. Quando temos algum problema, falamos em alemão. O português tem algo especial, é a língua do coração.
(...)
Sou espontânea. Os suecos são muito disciplinados. Também são um povo caloroso, mas com os amigos, na intimidade. Não gostam de exteriorizar isso. Eu tenho facilidade de falar com as pessoas, de estar com as pessoas, mesmo com a barreira do protocolo.

A Rainha come feijoada?
Foi a primeira coisa que desejei comer, assim que aqui cheguei. Comi uma deliciosa feijoada com farofa. Gosto muito de uma farofinha, é obrigatório. Também faço de vez em quando no palácio. O meu marido gosta muito de vatapá, aprendi a fazer com a minha mãe, é uma delícia.
ENTREVISTA DE ELIANE TRINDADE - REVISTA GENTE2003 BRASIL.


Adenda: Rainha da Suécia voltou a falar Português em visita à Madeira.
Objectivo da terceira visita da rainha Sílvia prendeu-se com o apoio que dá a uma instituição de solidariedade. Mas teve oportunidade de falar Português, a língua que aprendeu quando viveu em jovem no Brasil.
02-03-2017 - TVI24

****
Ascendência Real;
O seu avô materno era Artur Floriano de Toledo (1873-1935), um descendente do rei Afonso III de Portugal e sua concubina Maria Peres de Enxara. Artur era o bisneto de Antónia de Almeida de Aguiar, uma descendente de umas famílias de fidalgos estabelecidas em São Paulo, durante o período colonial Português, entre eles a família Alvarenga de Lamego, Portugal. Também é de muito distante ascendência ameríndia brasileira. Um de seus antepassados ​​era o chefe indígena Tibiriçá de Piratininga (wlkipédia)

Enviado por Antônio Soares Borges

Dia Um de Portugal: 24 de junho de 1128


24 de Junho de 1128 - Batalha de São Mamede: Dia Um de Portugal

Nesse 24 de Junho de 1128 acontecia ‘A primeira tarde portuguesa’, o dia um de Portugal que num acto de vontade se conquistou e fundou Nação nessa Batalha de São Mamede, em Guimarães, onde o Infante Dom Afonso Henriques à frente dos barões portucalenses se torna Princeps ao derrotar a facção estrangeira capitaneada pela própria Mãe.

Quando o Conde D. Henrique faleceu, em 1112, o governo do condado foi assumido por Dona Teresa, uma vez que, o Infante D. Afonso Henriques, o filho de ambos, tinha apenas três anos de idade.
Mais tarde Dona Teresa vê a sua posição enfraquecida pois associa ao governo Fernão Peres de Trava, que Dona Teresa faz de seu valido.
A relação da ‘rainha’ com o nobre galego acicata contra si a reprovação do filho, os ódios da nobreza portucalense afastada do círculo de poder e a antipatia do povo que recordava com carinho D. Henrique e do clero que exigia outro tipo de comportamento à princesa da Hispânia.
Com a oposição dos Três Estados portucalenses àquele governo estavam reunidas as condições para ser afastada a auto-intitulada Rainha D. Teresa, e, no dia 24 de Junho de 1128, à dianteira dos barões e fidalgos portucalenses, Dom Afonso Henriques defronta no campo de São Mamede, perto de Guimarães as forças galegas comandadas pela Mãe e pelo seu valete Fernão Peres de Trava, derrotando-os naquela que ficou conhecida pela Batalha de São Mamede e que marcou o 1° passo para a Fundação da Nacionalidade Portuguesa, uma vez que o Infante Dom Afonso Henriques avoca a si o governo do Condado Portucalense, com pretensões de independência.

Miguel Villas-Boas | Plataforma de Cidadania Monárquica



Enviado por Antônio Soares Borges

O Jornal  e o seu " papel "
.........................................
                              Joel Boechat


Cantinho
          De  reminiscências


Atrás do espelho de Cristal
Da penteadeira oval
onde me penteava,  nos idos
Da  juventude...
Dobrado, para reforçar o
encosto...
Escondia a História...
A edição de um Jornal...

Meado dos anos quarenta
Surpresa...
Testemunho ocular da História..
Lutas fratricidas
Dos aliados... a Vitória

Pedi a Deus bênçãos para
A vovó, dona da mobília
Chipandalle..
Sinto sua doce presença,
ali, sentada no puff
Escovando seus cabelos
Na antiga penteadeira

Como era bonito o seu
Coque, escondendo a
Vasta dourada  cabeleira

A Rendição dos Nazistas
Anúncio de uma peça de
Teatro com o nome dos
Artistas...
Anúncio de Biotônico e
Do Elixir de Nogueira
Dados sobre o carnaval do
Zé Pereira...

Li todas as páginas do
Velho jornal...
Levei uma manhã inteira
Sentado no almofadado
Puff da penteadeira

Guarde, como lembrança,
O Jornal de sua cidade
Tem tudo de bom.
Amanhã... Verá...
Seu filho, hoje criança...
Não ocupa muito espaço

Eu, na senectude, tive a
alegria de rever fatos de
Minha infância e de minha
Juventude

Papai tinha assinatura de
Um Jornal de Bom Jesus
Se não me engano,
Era uma tal "A Voz do Povo".
Mais tarde, no final dos
Anos quarenta, os fatos e
Notícias de sua querida
Terra...

Contos, poesias  fotos...
Na mais se lia sobre as
Minazes guerras...

No novo periódico, bem
Noticioso...
O "Norte Fluminense" com
jeito jovem e garboso

O novo, com o outro antigo
Jornal,
Desempenhavam  no andar
Dos tempos, o papel de
Atores  na história...
Nos tempos de amores,
Desenvolvimento e de glórias

Vovó, como te agradeço
Contar-me  histórias de
Pirapetinga, na sua época
De Itaperuna...
De Rosal, Calheiros, de
Liberdade e de uma linda
Natividade...

História do Padre Mello
De Bom Jesus,
De Monte Azul, o mistério
De uma luz

Escondida,  atrás da sua
Penteadeira
A História da querida e
Abençoada terra,  a vida,
a Glória...

Guarde a edição de hoje.
Com todo carinho...
Sempre haverá um espaço,
um cantinho
Amanhã, quem sabe?
O Jornal terá apenas sua
Edição na Internet...

Os atores não deixarão
Impresso suas artes
O Jornal de  hoje
Deixa guardado...

Seu papel nunca será,
Como no seu  tablet,
Ou celular, para mais
Espaço salvar.
Sem emoção... Deletado...

VIVA SÃO JOÃO BATISTA!!!

Rogerio Loureiro Xavier





Olá pessoa amiga e do bem.

VIVA SÃO JOÃO BATISTA!!!

Dia de São João:

O Dia de São João Batista é comemorado anualmente em 24 de junho. São João é conhecido como o "Santo Festeiro”, e nesse dia são realizadas muitas festas, conhecidas popularmente como Festas Juninas, comemorações marcadas por danças e pratos típicos. Alguns símbolos bastante conhecidos nas celebrações são a fogueira, o mastro, os fogos, a capelinha, a palha, o manjericão, entre outros. Existem duas possíveis explicações para a origem do termo Festa Junina: pelo fato das comemorações ocorreram durante o mês de junho e, segundo a outra teoria, seria uma homenagem direta a São João. No princípio, em alguns países da Europa, a festividade era chamada de Festa Joanina.

Origem do Dia de São João:

O Dia de São João é celebrado em 24 de junho por ser a data tradicionalmente atribuída ao seu nascimento. São João é considerado o santo mais próximo de Cristo, pois além de ser seu parente de sangue, Jesus foi batizado por João nas margens do rio Jordão.

A Festa Junina de São João:

O São João é uma das principais figuras das festas juninas. O Dia de São João também marcado pela culinária, com várias comidas e doces típicos, como: - Rapaduras; amendoim; bolo de milho; cocada; curau; canjica; bolo de macaxeira / mandioca; paçoca; pé de moleque.

Existem outros pratos que variam de acordo com a região brasileira em que é celebrado o São João. Essas iguarias estão quase sempre presentes nas festas. Cidades do interior do Brasil, em especial, fazem festas mais típicas e possuem costumes bastante difundidos entre todos os habitantes, diferentemente do que acontece nas cidades grandes.

O Dia de Santo Antônio e o Dia de São Pedro também fazem parte das tradicionais Festas Juninas.

"São João, pregador da penitência, rogai por nós. São João, precursor do Messias, rogai por nós. São João, alegria do povo, rogai por nós."
Amém.

Roger LX


ARRAIAL DO CENTRO EDUCACIONAL ROSA DE SOUZA PEREIRA: 6 DE JULHO



domingo, 23 de junho de 2019

Falece Delton de Mattos


Faleceu, ontem, aos 94 anos de idade, um dos gênios de nossas letras, Delton de Mattos. 


Filho de Mário Nunes da Silva e Pautilha Nunes de Mattos, nasceu na Serra do Tardin, no dia 20 de abril de 1925. Seus avós paternos foram Elias Nunes da Silva e Maria da Silveira Nunes. Os avós maternos, por sua vez, foram Porphirio Franca de Mattos e Etelvina de Mattos Picança.


Aos 12 anos, ingressou no Colégio Rio Branco, onde cursou o exame de Admissão.


Foi colaborador do jornal O Norte Fluminense, fundado por Ésio Bastos, no dia 25 de dezembro de 1946, desde o início das atividades deste.


Foi um dos grandes intelectuais do Brasil, tendo sido o pioneiro nos estudos da Tradutologia.


Autor de vários livros, editou ainda obras preciosas de autores bonjesuenses e bonjesuístas, como Padre Mello, Octacílio de Aquino, Romeu Couto e Athos Fernandes. 


Dennys Silva-Reis, de Brasília, salientou bem sua importância para as letras do país, como se segue.



Delton de Mattos - um pioneiro dos Estudos de Tradução


Atuou na universidade de Brasília como o pioneiro na formação do curso de Letras-Tradução. Todavia, ele é memorável por ter sido sua a iniciativa da publicação de 3 livros sobre tradutologia (talvez, a época da publicação, conceito ainda inexistente no Brasil):
  • Delton de Mattos (org.), A formação do tradutor em nível universitário.Horizonte, 1980.
  • Delton de Mattos (org..), Cultura e tradutologia. Thesaurus, 1983.
  • Delton de Mattos (org.), Estudos de tradutologia. Kontakt, 1981.

Somente pelos títulos do livros organizados podemos imaginar o quanto à época eles eram inovadores para a área de Letras e para os Estudos de Tradução.
Provavelmente, devem existir outros artigos e textos sobre o assunto de autoria de Delton Mattos. Uma pesquisa mais profunda sobre sua contribuição para os Estudos de Tradução no Brasil seria bem vinda.


Em 2016, O Norte Fluminense publicou a seguinte matéria:



Delton de Mattos e a Panificadora Família Borges




Há cerca de 25 anos, Delton de Mattos, um dos gênios de nossa literatura, apontou, em uma de suas crônicas, que não encontrava em nosso município uma "casa de chá", cujo clima "aconchegante" propiciasse o encontro das pessoas.


Delton de Mattos: por uma casa de chá em Bom Jesus

Disse ele: "Não encontrei em Bom Jesus a possibilidade de tomar um chá, nos bares e restaurantes. Uma casa de chá é sempre um local aconchegante, que estimula a aproximação entre as pessoas, além de oferecer alternativa ao consumo exagerado da cafeína, tão nociva ao estômago e aos nervos " (1991) (publicado em  "Só uma penca de bananas", 1994).

Muitos anos depois, a Panificadora Família Borges veio fazer realidade o sonho de Delton de Mattos,estabelecendo em Bom Jesus, num prédio de 1922, um localaconchegante que favorece o encontro não apenas das pessoas, mas de sua história.


Panificadora Família Borges: um local de encontro das pessoas e da historia



 Delton de Mattos escreveu vários livros. Entre os quais mencionamos os seguintes.




GRANDE HOMENAGEM A DELTON DE MATTOS


Resultado de imagem para sebastião freire o'norte fluminense
Dr. Sebastião Freire


      Foi realizada, no dia 09/11/2018, na capital do Estado, no colégio Maria Raythe, Tijuca, uma justíssima e grande homenagem ao ilustre e Eminente Bonjesuense – DELTON DE MATTOS.

      O mega evento foi organizado por seu grande amigo e companheiro de trabalho, Dr. ROBERTO BENATHAR, a quem o cumprimentamos e aplaudimos em nome de todos os bonjesuenses e familiares do Dr. Delton de Mattos.

      A justa homenagem foi em razão da profícua administração de DELTON DE MATTOS junto ao colégio Maria Raythe, onde o Autor da solenidade compilou uma extensa apostila com as realizações importantes do DELTON DE MATTTOS em prol da cultura científica do Brasil.

      É importante ressaltar o valor de uma amizade que uniu DELTON e Dr. ROBERTO, que teve a gentileza de encaminhar dois exemplares de referida apostila, através do bonjesuense e ilustre Advogado Dr. JOÃO JOSÉ ASSAD, filho do saudoso Alexandre José Assad, que compareceu à Reunião de Homenagem, para ser entregue ao Poder Legislativo de Bom Jesus do Itabapoana e a outra para ser enviada aos familiares de DELTON DE MATTOS.

O Poder Legislativo de Bom Jesus do Itabapoana, que, embora convidado, não mandou representante, que na nossa ótica foi, no mínimo, decepcionante.

Parabenizamos o autor da solenidade, bem como ao Dr. JOÃO JOSÉ ASSAD, que está sempre atento ao que se diz respeito aos interesses de nossa Bom Jesus do Itabapoana-RJ. 

No dia 3 de outubro de 2015, ocorreu uma noite memorável em homenagem a Delton de Mattos, conforme matéria de O Norte Fluminense que segue. 



NOITE HISTÓRICA RESGATA GÊNIOS DA CULTURA BONJESUENSE





Ocorreu no dia 03 de outubro passado, na Câmara Municipal, um dos maiores eventos culturais da região, em comemoração à implantação da Câmara de Vereadores, que sucedeu no dia 04 de outubro de 1947, após a nossa 2ª emancipação.

A solenidade foi organizada pelo advogado Sebastião Freire Rodrigues, um dos nomes mais respeitados nossa sociedade, que promoveu o lançamento de quatro livros de gênios da literatura bonjesuense: Padre Mello, Octacílio de Aquino, Romeu Couto e Athos Fernandes,editados por Delton de Mattos, outro monstro sagrado das nossas letras. 

O salão da Câmara ficou lotado para a noite histórica


Este evento histórico, marco em nossa região,  distribuiu gratuitamente 1.500 (mil e quinhentos) livros dos autores mencionados.

Na oportunidade, Sebastião Freire Rodrigues foi agraciado com a Medalha Tiradentes, a maior honraria concedida pelo estado do Rio de Janeiro, através da Assembleia Legislativa. 


Dr. Sebastião Freire Rodrigues (centro), recebeu a Medalha Tiradentes, a maior honraria concedida pelo estado do Rio de Janeiro.  À esquerda: Dra. Andreia Guimarães (representante do deputado estadual Marcus Vinícius), que entregou a honraria, Dra. Suzanyh Peres Veniali, Flavia Nunes, (filha do Dr. Sebastião). Dr. Sebastião Freire Rodrigues, Ledyr Nunes Rodrigues (esposa Dr. Sebastião) e Luciano Nunes (Presidente da Câmara Municipal de Bom Jesus)
.

O advogado Sebastião Rodrigues, quando foi procurador da Câmara de Vereadores, promoveu  tratativas para a obtenção do apoio financeiro necessário para que Delton de Mattos pudesse publicar as obras que se basearam em textos extraídos do jornal A Voz do Povo,  fundado por Osório Carneiro. Este jornal foi o repositório de alguns dos monstros sagrados da literatura bonjesuense, capitaneados por Padre Mello, o pai da cultura bonjesuense.

Equipe de "A Voz do Povo", agosto de 1939
Em primeiro plano, da dir. para a esq., José Maria Garcia, José Tarouquella, Renato Wanderley, Osório Carneiro, Padre Mello, Octacílio de Aquino e Romeu Couto. Em segundo plano, Dalton Tarouquella, "Dico", Neiva, Ernani Tarouquella, Onofre, "Totinho", Helio Garcio e Elvio Tarouquella.


Delton de Mattos realizou as ricas pesquisas no jornal, contando com o apoio de dra. Nísia Campos, redatora de A Voz do Povo.

 Marlene de Mattos, irmã de Delton de Mattos e
 Ianthes de Mattos, esposa de Delton de Mattos
  
Mil e quinhentos livros estão sendo distribuídos gratuitamente para a sociedade bonjesuense


Na noite memorável, marcaram presença o consagrado Grupo Musical Amantes da Arte e a Lira Operária Bonjesuense, conhecida como A Furiosa. 



Grupo Musical Amantes da Arte


Lira Operária Bonjesuense


O magistrado dr. Luiz Alberto Nunes da Silva discorreu sobre Octacilio de Aquino (ver discurso ao final), dra. Nísia Campos falou sobre a obra de Padre Mello, Maria Izabel Monteiro Nunes considerou sobre a obra de seu pai Athos Fernandes, dra. Suzanyh Péres Veniali referiu-se a Romeu Couto, representando Roulien Boechat, responsável pela Biblioteca Romeu Couto, de Bom Jesus do Norte (ES),  dr. Ederaldo do Carmo, que foi o autor do prefácio do livro sobre Padre Mello, esmiuçou sobre Delton de Mattos, enquanto o desembargador Antonio Izaias da Costa Abreu falou sobre a vida de  Octacílio de Aquino e sobre Delton de Mattos.


O advogado Sebastião Freire promoveu a entrega aos familiares de Delton de Mattos, de um Diploma de Mérito, como reconhecimento pelo trabalho em prol do resgate da História e Cultura de Bom Jesus.
Os vereadores também fizeram também a entrega de uma Moção de Aplausos e Louvor aos familiares de Delton de Mattos pelo seu trabalho realizado no Município de Bom Jesus e no Estado do Rio de Janeiro.
Na oportunidade, foi entregue à senhora Marlene Mattos, irmã de Delton de Mattos, cópia de uma das primeiras Atas de instalação da Câmara Municipal, ocorrido no dia 04 de outubro de 1947, onde seu pai, Mário Nunes, foi eleito pela primeira Câmara de Vereadores de Bom Jesus.

Utilizando a palavra, a esposa de Delton de Mattos,  Iantes Mattos, visivelmente emocionada, agradeceu a todos pelas homenagens que receberam.

No final da Sessão, dra. Andreia de Oliveira Pádua, advogada militante da capital do Estado, entregou ao dr. Sebastião Rodrigues o Decreto da Assembleia Legislativa (RJ) que outorgou a ele, através do deputado Marcus Vinícius, a Medalha Tiradentes, maior Honraria do Estado do Rio de Janeiro.

Pode-se dizer que a noite histórica promovida pelo dr. Sebastião Freire Rodrigues teve a grandeza evocada pela figura de Tiradentes na medalha a ele outorgada: assim como o herói nacional, com sua luta, ajudou a criar as circunstâncias para a independência de nosso país, Sebastião Freire Rodrigues promoveu nesta noite memorável um evento libertário que estabeleceu as condições para o resgate do nosso passado grandioso também na área da cultura literária.


Sebastião Freire Rodrigues

Em homenagem aos gênios bonjesuenses, O Norte Fluminense publica os seguintes textos: 

"Rua Formosa", de Romeu Couto (crônica)

"Padre Mello", de Athos Fernandes (poesia)

"A Lição de Ulisses", de Octacílio de Aquino (crônica)

"Flor de Luz", de Padre Mello (poesia)

O Norte Fluminense publica, ainda, uma crônica de Delton de Mattos intitulada "Uma recomendação de Octacílio de Aquino", publicada em nosso jornal, no dia 11 de julho de 2004. 

Aproveitamos, ainda, a oportunidade, para completarmos a relação dos 8 (oito) monstros sagrados da nossa literatura, incluindo textos de Elcio Xavier, Norberto Seródio Boechat e Ayrthon Borges Seródio:

"Abandono", de Elcio Xavier (poesia)

"A Eterna Ausente", de Norberto Seródio Boechat (crônica)

"No túmulo de meu pai", de Ayrthon Borges Seródio (poesia) 


ROMEU COUTO








HISTÓRIA DA RUA FORMOSA

                                                                                                     Romeu Couto


Aquela rua era muito feia. Nem merecia o nome de rua. Se a chamassem simplesmente de caminho, ela ficaria muito satisfeita. Mas o povo deu-lhe o título injusto de Rua Formosa. E pegou. Uma casa aqui, outra acolá, cada uma procurando fugir da vizinha mais próxima. Quando se ouviam os passos lépidos de um animal, ninguém ligava, era o seu Joaquim que chegava na mula "Baiana". Mas quando passava um carro de bois, gemendo sob o peso da carga imensa, todo o mundo acorria à janela. E a garotada pulava para a rua, trepando na tora puxada pelo enorme cordão de bois, ou corria para o carreiro, pedindo-lhe uma cana daquelas que lotavam o carro: "Me dá uma, me dá uma!" À noite, a Rua Formosa ficava mais feia ainda. E triste, também. Muito triste. Nem um violãozinho para perturbar o sono daquela gente. Só as lâmpadas acesas, bem no alto dos postes escassos, davam sinal de vida. Até mesmo o coaxar dos sapos, lá nos pastos distantes, era quase imperceptível. Uma tarde, uma tardinha só, aquela rua ficou mais colorida e movimentada. Toda a gente da Rua Formosa se reuniu. E os meninos limpinhos, empunhando coloridos feixes de flores, desfilavam compassadamente, ao som lerdo do sino distante. Lá bem atrás, onde tantas mamães choravam tanto, vinha um caixãozinho azul, feito às pressas, carregado pelo seu Joaquim e mais três companheiros. E aí, deitado no ataúde minúsculo, era transportado o Julinho, que tantas vezes gritara para o dono do carro, implorando-lhe uma cana: "Me dá uma, Me dá uma!" Também quem mandou o peralta ser assim tão tolo? Tomando banho no riacho escuro, onde sua mãezinha lavava roupa e limpava panelas, dera um mergulho bonito e se esquecera de voltar. Mas, amanhã, a Rua Formosa ficará triste, muito triste, outra vez. O seu Joaquim voltará para casa cavalgando a "Baiana". Quando, porém, passar um carro de bois, abarrotado de canas, a garotada não pulará mais para a rua. Ficará em casa, caladinha, em homenagem ao companheiro desaparecido. E os sapos continuarão a coaxar, lá nos brejos longínquos, quase imperceptivelmente.



Outubro de 1936
páginas 57/58

ATHOS FERNANDES






PADRE MELLO



Athos Fernandes




O que vos poderei dizer do Padre Mello? 
Certo que o conheci e com orgulho o digo, 
pois dele recebi muito conselho amigo, 
naquele jeito seu, cativante e singelo. 



Recém-chegado aqui, trazia então comigo 
no jovem coração ardente o nobre anelo 
Queria ser poeta e erguer um templo ao belo 
e ao sólio protetor vinha pedir abrigo. 



Recebeu-me o velho, o sacerdote-artista. 
Poliu meu estro inculto,abriu-meda alma a vista 
em novas dimensões na língua portuguesa... 



Pela vida exemplar do vigário e do esteta, 
não sei qual o maior: se o padre, se o poeta, 
entre os cultas a Deus e os cultos à beleza.

página 93



  OCTACÍLIO DE AQUINO



 



A LIÇÃO DE ULISSES 


                    Octacílio de Aquino 
       Recordemos a admirável página de Eça, uma das mais de ouro entre os seus Contos.
        Encontrava-se havia mais de sete anos, Ulisses, "o mais sutil dos homens", entre as magnificências de Ogigia, entregue à hospitalidade doce da ninfa Calipso, deusa e amante. Nada lhe faltava ali, onde tudo era deslumbramento e placidez, fartura e imortalidade certa.
    Seus pensamentos, no entanto, voavam para Ítaca, onde havia deixado esposa e filho.
    Uma tarde, ao cabo de uma dessas saudades longas em que, dia por dia, mergulhava o inconsolável guerreiro, desce à ilha encantadora, que o acolhera - após o naufrágio de sua grande nau, de proa rubra-, um deus, que o procurava. E o deus transmitiu a Calipso a decisão de Júpiter: deixasse voltar à pátria Ulisses o guerreador de Tróia.
      A deusa obedeceu. Não podia senão obedecer. Mas, obedecendo, ainda insistia prometendo a Ulisses, para que ficasse, as armas extraordinárias que Vulcano mandaria especialmente forjar no ....
      - Armas?- replicava o herói. Mas de que servem armas quando não há combates?
   E, permitida a viagem de regresso, Ulisses derrubou essas árvores para uma jangada. E construiu a jangada. E pegou o instante da partida. Nunca - descreve o artista moroso - "nunca a ilha resplandecera com uma beleza tão serena, entre um mar tão azul, sob um céu tão macio". É, em meio a todo esse espetáculo de alegria e de suavidade, "tantos eram os frutos nos vergéis, e as espigas nas messes, que a ilha parecia ceder, afundada no mar, sob o peso da sua abundância!" Embora! O navegador ousado partiria mesmo...
     A deusa, então, lançou ao herói o derradeiro e mais comovente apelo. Se lhe não fosse a esposa, a terna e tão lembrada Penélope, se não fosse o filho, o jovem e tão lembrado Telêmaco, ainda assim deixaria ele a ilha maravilhosa?
    Sim, ainda assim Ulisses regressaria a Ítaca. Porque precisamente o que o fatigava em Ogigia era a perfeição extrema.
   "Considera ó deusa, que na tua ilha nunca encontrei um charco; um tronco apodrecido; a carcassa dum bicho morto e coberto de moscas Zumbidoras. Ó deusa, há oito anos, oito anos terríveis, estou privado de ver o trabalho, o esforço, a luta e o sofrimento..."
      Ah! que vontade, para o mortal glorioso, farto da paz Imensa da ilha sem defeitos, que vontade de "encontrar um corpo arquejante sob um fardo; dois bois fumegantes puxando um arado; homens que se injuriem na passagem de uma ponte; os braços suplicantes duma mãe que chora; um coxo, sobre a sua muleta, mendigando à porta das vilas!..."
   E subia, torturadamente, o tom de seus queixumes. "Deusa, há oito anos que não olho para uma sepultura... Não Fosso mais com esta serenidade sublime! Toda a minha alma arde no desejo do que se deforma, e se suja, e se espedaça, e se corrompe..." Em Ítaca ele encontraria a fome e o desespero, o quadro triste da ignoralidade e da opressão, e, ao lado do poema incomparável da vida, quando há esse poema, toda a infinita amargura da torpeza humana...
     Partia, enfim. Beijando-o, no minuto extremo, Calipso:
    " - Quantos males te esperam ó desgraçado! Antes ficasses, para toda a imortalidade, na minha ilha perfeita, entre os meus braços perfeitos"...
    Já Ulisses, porém, de pé no dorso da jangada, cortava as primeiras ondas do mar em que se espelhava o céu, voltando, assim, deliberadamente, "para os trabalhos, para as tormentas, para as misérias - para a delícia das coisas imperfeitas"...
     E era isso, a desigualdade e o erro, era isso, a violência flagrante dos contrastes, isso, a mentira e as iniquidades dos homens e da sorte, mas isso que lhe desafiava o ideal de contribuir, lutando, pela verdade e pelo bem comum, era isso o que o seduzia na desditosa terra de seu berço, mas, também na terra que era tudo para o seu coração sonhador e de guerreiro...
  Cada homem, dos que se formaram irresistivelmente para a luta franca, não reproduz, no quadro eterno as ambições e dos interesses, as ânsias e a atitude final do velho Ulisses?
                                                      Março de 1944
páginas 42/44

PADRE MELLO

 




FLOR DE LUZ


   Padre Mello
 Há uma flor que desponta
De noite, na escuridão,
Uma flor que assim que nasce
Logo é flor sem ser botão

Flor que metálico fio
Em um momento produz,
Flor que o tato não encontra,
Flor do é ter, flor da luz.

Por pétalas tem mil raios,
Por seiva a eletricidade,
Por colora a chama viva,
Por perfume a claridade.

Flor que à noite a lua inveja
E que o sol invejaria
Se por ventura em seu trono
Pudesse vê-la de dia.

Mas nasce quando sol morre
E morre quando o sol nasce,
E se ressurge de dia
E onde o sol não transpasse

Vós que viveis nas montanhas,
Quereis a glória da luz?
Vinde passear à noite
Nas ruas de Bom Jesus.

página 272



DELTON DE MATTOS








Uma recomendação de Octacílio de Aquino



 Delton de Mattos



     Ao mudar-me para São Paulo, em março de 1947, embora estivesse politicamente em posição antagônica à União Democrática Nacional (UDN) bonjesuense, a que pertencia Octacílio de Aquino, não tive dúvida em procurá-lo para despedir-me, pois minha admiração e respeito pela sua personalidade cultural pairavam acima de quaisquer eventuais divergências de ordem política. Pediu-me ele, naquela oportunidade, que fizesse o possível de entrar em contato com o escritor Monteiro Lobato, de quem era profundo admirador, já tendo mesmo escrito em A Voz do Povo sobre a sua obra "Urupês". 


     Inicialmente, tal aproximação parecia impossível, pois não podia imaginar de que maneira um obscuro e desconhecido bonjesuense, que ainda não tinha sequer iniciado os estudos do segundo grau, poderia ter a oportunidade de tão ousada aventura. 


     Mas na verdade, fazia eu tabula rasa de tudo que poderia acontecer na vida daquela grande metrópole e do poder aglutinador das suas realizações culturais, que sempre estiveram à disposição de qualquer forasteiro. Como tinha chegado em São Paulo depois de encerradas as matrículas no segundo grau, passei a freqüentar, desde o primeiro dia, a imensa biblioteca Mário de Andrade, que ficava à disposição do público nos sete dias da semana, isto até altas horas da noite, sem falar das constantes palestras literárias que se realizavam no seu majestoso auditório. Mas além disso, essa biblioteca era o principal ponto de encontro dos intelectuais de São Paulo e não demorou para que eu conhecesse ali, a romancista Rosália Simonian que era amiga de Monteiro Lobato e logo me levou à sua presença no apartamento em que ele residia ali bem perto. 


     Dessa maneira, foi surpreendentemente fácil cumprir a recomendação de Octacílio de Aquino, que entretanto, na sua proverbial modéstia, já tinha recebido do consagrado autor de "Urupês" palavras elogiosas, e até de agradecimento sobre apreciação crítica da sua citada obra.

Recentemente, chegou às minhas mãos, cópia de uma pequena carta escrita por Monteiro Lobato em 5.10.1943, dirigida ao seu amigo Bruno de Martino, então jornalista em Miracema (outra surpresa!), nos seguintes termos: "Em mãos sua carta de 29 setembro e o número de "A Voz do Povo", em que vem o seu nobre devaneio filosófico "Concepção Gratuita", que li com o prazer que me causam todas as coisas pensadas, e também o belo artigo de Octacílio de Aquino a meu respeito. Muita coisa vem aparecendo sobre o meu livro URUPÊS neste tempo de suas bodas de prata, mas o artigo de Octacílio de Aquino é dos que mais dizem e mais penetrantemente. Peço transmitir a ele o meu abraço de agradecimento. E vão aqui esses retratos, a única lembrança que posso mandar destes distintos amigos. Com a maior cordialidade, Monteiro Lobato". Bruno de Martino, que nos deixou o romance "Saias de Bronze", enviou cópia dessa carta ao seu amigo bonjesuense, com a seguinte observação: "Este é o meu presente de Natal e de Ano-Bom! Fraternalmente do seu Bruno de Martino". 


     Em maio de 1949, republicava eu na revista Alliance, de São Paulo, um artigo de Octacílio de Aquino, sob a forma de "carta" e que constitui um belo resumo já escrito a respeito da vida e obra de Monteiro Lobato. Esse artigo reaparecerá em breve no 4o volume da coleção "Série Literatura Bonjesuense". É só esperar.



11 de julho de 2004


ELCIO XAVIER




ABANDONO


                                     Elcio Xavier

Ah! que ânsia de ser rio ou cais,

de atingir num suspiro o voo

dos seres alvos de minha imaginação!

Que desejo de ver e abordar

nos meus sentimentos a rosa

ou as caravelas de outros mares

transportando ocasos de Maio!

Por que, ó ondas líquidas de nuvens

que transitai pelos meus olhos,

não trazeis ao meu corpo vossa alegria?

E vós, véus de seres distantes,

por que não vindes agitar com vossa cor

a superfície impenetrável de minhas margens?

A luz vinte vezes substituiu a Noite,

Canções distantes assolaram meu ouvido

no frio de eras remotas,

rochas incendiaram ninhos no ar,

e eu aqui ainda estou abandonado!

página 59
  

NORBERTO SERÓDIO BOECHAT 





A ETERNA AUSENTE

             Norberto Seródio Boechat



     Década de 50.
     Oito anos.     
     Estrada Bom Jesus - Vargem Alegre.
     Ao voltarmos da cidade, lá estava a menina na cerca de sua casa, à espera. Diminuíamos a velocidade para vê-la, infalível, pendurada no cercado do quintal. Segurava-se com a mão direita e acenava a esquerda.
  Loura e branquinha. Muito bonita. Impossível saber de onde vieram as marcas arianas na garota pobre do barraco beirando a estrada. Não entendo, também, por que em nenhum momento paramos, por que não correspondemos num gesto o amor transmitido ao acenar. Creio que em seu reduzido universo, a busca do momento a impregnava, tornando-a parte de outras vidas, outras pessoas, do mundo que, então, se desfilava na via solitária. Ansiava, talvez, por um afeto, um toque junto ao coração.
   É provável fosse filha única. Nunca vimos outra criança ao redor. O que teria sido sua vida entre adultos? Que mundo encerraria o interior da cabana? Como os pais estariam contribuindo para o crescimento do ser que fazia daquele instante breve de nossa passagem a eleição de um acontecimento? Ao respondermos com as mãos, ela sorria feliz. Passávamos e, ao olharmos para trás, ainda a víamos acenando no meio da poeira deixada pelo jipe.
  Hoje, passada tanta vida — e tão rapidamente —, pergunto--me, onde estará? Casou-se? Teve filhos? Foi feliz? Tem um quintal cheio de netos? Morreu? Indagações que no vácuo desse tempo consumido apertam a garganta, deixam aberta a inútil expectativa de um vir a saber que não acontecerá... É a resposta que se espera, mas que jamais virá...
    Há muito a casa não existe mais. A estrada, asfaltada e, por isso mesmo, inexpressiva de lembranças, é uma reta que matou velhas curvas do caminho. A menina foi-se tal qual o pó, tal qual aquela nuvem de poeira que termina por sobrepor-se às cercas, cobrindo-as de amarelão pálido, triste, aguardando que a chuva venha e lave tudo.
    Não tenho dúvida: a garotinha foi a primeira mulher de minha vida. Tão absoluta que decididamente inesquecível. Definitiva. Jamais a tive. Nunca paramos para que eu me permitisse o contato de gente. 

   Assim, porque não a tive, sempre será indelével imagem, a eterna ausente: mão movendo-se avidamente como a dizer, por que não parou? Passou e não ficou para pacificar-me a vida. 

páginas 17/18



AYRTHON BORGES SERÓDIO



Dr. Ayrthon Borges Seródio revolucionou as letras bonjesuenses
  
 









No túmulo de meu pai

Ayrthon Borges Seródio



Roubado cedo ainda, em hora imprópria à vida 

Qual ave na procela arrebatada ao ninho,

Partiu meu pai deixando em seu caminho 
A mágoa sem remédio, e a queixa mais dorida.



Qual árvore frondosa, a muitos deu guarida,
E um amigo jamais deixou sofrer sozinho.
Honesto, humilde e bom, e farto de carinho,
Um exemplo a seguir em meio a nossa lida.


Cumprindo um ritual, desejo mortuário,
Como da vez passada eu volto ao sepulcrário,
Uma ilha de paz onde impera a igualdade.


Contrito na mudez e presa da amargura,
Vejo através da campa, em sua sepultura,
Um punhado de cinza... E uma eterna saudade!...


Vejam algumas fotos da noite histórica






Ederaldo do Carmos




Iantes Mattos, esposa de Delton de Mattos






Prefeita Branca Motta, Magistrado Dr. Luiz Alberto Nunes da Silva, Desembargador Dr. Antonio Izaias


Dra. Nísia Campos


Maria Izabel Monteiro Nunes


Dra. Suzanyh Péres Veniali


Dr. Sebastião Freire Rodrigues








Dr. Luiz Alberto Nunes da Silva




Amigo Chefe

         Dr. Luiz Alberto Nunes da Silva

Tive a honra de conhecer e partilhar um pouco da vida de Athos Fernandes e de meu primo Delton de Matttos. Mas, de outro lado, não conheci Padre Mello, Romeu Couto, tampouco Octacílio de Aquino.

Sobre Octacílio de Aquino, recebi a importante missão de, nessa memorável noite de evento cultural, falar-vos sobre a vida deste ilustre bonjesusense, Advogado, Promotor de Justiça em São José do Calçado, no Estado do Espírito Santo.

Nasceu em 07 de dezembro de 1900, e faleceu em 14 de junho de 1959, em Niterói.

Em 1939, quando Bom Jesus era ainda termo judiciário, foi nomeado pretor substituto. Foi, ainda, Juiz de Direito Substituto nesta Comarca (uma vez nomeado em 27 de março de 1948). Brilhante escritor e poeta bissexto.

A função de Juiz de Direito foi exercida, com pequenas interrupções, até o seu falecimento.

Permitam-me, por favor, de dirigir a todos que aqui estão – chamando-os simplesmente de: “amigo chefe”. Inclusive não usando o plural. Isso tem um significado profundo, porque era assim, simplesmente, como Octacílio de Aquino, de forma muito carinhosa e leve, se dirigia às pessoas. E, dessa maneira, me foi passado pelas pessoas que o conheceu. Foi como também ouvi várias vezes pelos corredores do fórum desta Comarca, aliás, local, onde frequento e visito há décadas, ora como Serventuário, ora com Advogado, ora como Magistrado.

Amigo Chefe”: Romeu Couto, hoje também aqui homenageado, a seu respeito dizia: “Poeta bissexto, rigorosamente bissexto, é o meu amigo Octacílio de Aquino, o qual filha mais amoroso que nós outros, continuou em Bom Jesus, sem ter tido a necessária capacidade de – abro aspas – “ingratidão” – fecho aspas – para abandonar a comum terra”. 

Homem solteiro dedicava-se profundamente aos estudos e às atividades literárias. Escreveu e publicou um livro intitulado “Antes da Revolução” e, segundo sabemos, estava empenhada na confecção de um Dicionário Analógico, obra essa que, lamentavelmente, não concluiu.

Além dessas preciosas informações, poderíamos acrescentar que Octacílio de Aquino foi orador brilhante, pertenceu durante vários anos à Loja Maçônica Moreira Guimarães Terceira de Bom Jesus, tendo participado dos embates políticos mais importantes da nossa região e também de inúmeras apresentações culturais em Bom Jesus e Municípios vizinhos. Devendo-se, ainda, ressaltar o seu grande interesse pela literatura, especialmente pelas obras dos grandes autores brasileiros.

Octacílio de Aquino entrou para o mundo das letras muito cedo, por volta de 1914, quando esboçou seus primeiros sonetos para o primeiro jornal desta cidade de nome Itabapoana. Escreveu, ainda, para os jornais: A Paroquia (Parochia), A Cidade, Bom Jesus Jornal, O Momento, O Norte Fluminense e depois, A Voz do Povo.

Embora não tenha casado, teve lá seus amores, notadamente um linda jovem, irmã de um antigo e conhecido farmacêutico de Bom Jesus do Norte.

Em homenagem às suas musas, certa vez, escreveu:


Começou por querer matá-la”. A mão.

Preme, brandindo o gládio protetor.

Mas, de subido, hesita e, num torpor,

“Deixar rolar o gládio pelo chão”.


E finalizou:


“Tenho direito de chorar por ele”!

Exclama. E aproximando-se, divina,

Beijando os lábios de Tristão, morreu...

(conforme consta de seu primoroso poema ISOLDA, procurando descrever o amor fenecido com a morte de Tristão).


Amigo Chefe,


Nesse momento de reflexão sobre um pouco da vida de Octacílio de Aquino, devo-vos confessar que após a “intimação” do Doutor Sebastião Rodrigues para essa importante missão – fiquei apreensivo. O que vou fazer, amigo chefe?

LEMBREI-ME do Desembargador Antonio Izaías da Costa Abreu, também notável homem de letras, bonjesuense como Octacílio.

Izaías é o Titular da Cadeira número 07, da Academia Bonjesuense de Letra, da qual o patrono é o próprioAmigo Chefe, valer dizer, o poeta Octacílio de Aquino. E dele me vali. Aliás, um socorro de imediato, sem empecilho. Isto é, fui prontamente atendido.

Ainda com o beneplácito da Doutora Nísia Campos, mestre e poetisa de renome, ilustre Presidente do ILA desta cidade, franqueou-me a famosa pasta ‘verde’, dita por Antônio Izaías, mas que na verdade é de cor ‘azul’, aliás, como o céu, o céu de esplendor, pelo seu magnífico conteúdo. Ali se encontra, verdadeiramente, a biografia cuidadosa, lapidada, de Octacílio de Aquino, na qual pude pincelar os trechos acima.

 À Doutora Nísia, meus agradecimentos pela gentileza. Ao Desembargador  Izaías, minha enorme gratidão, porque valeu apena.

Senhores,

Antes de encerrar, desejo, por justiça, fazer um pequeno relato. Octacílio de Aquino morreu pobre. Ficou doente. Era muito amigo deRoberto Silveira, então governador deste Estado.Roberto, sabedor da doença do amigo e de suas condições não só financeira, mas também de saúde, levou-o para se tratar em Niterói, então capital do nosso Estado, onde, diante da gravidade de sua enfermidade, veio a falecer. Mas cercado de todo carinho, aparato médico e hospitalar, aliás, como me foi passado. Graças a intervenção direta do Governador Roberto Silveira.

Prossigo.

Doutor Luciano Bastos, ainda era vivo. Fui procurado por ele e pelo doutor Sebastião Rodrigues. Iniciamos um movimento que, aliás, logo de pronto, a ele aderiam:  Antonio Izaias, o doutor Michel Saad, de Niterói,  a senhora Prefeita de Bom Jesus e o Presidente do Rotary local. Era nossa intenção trazer os restos mortais de Octacílio de Aquino para Bom Jesus.

De início, houve um degrau a ser ultrapassado: por exigência, aliás,  legal, da Prefeitura de Niterói: um parente de Otacílio tinha que autorizar o translado. O que é mais do que compreensível. Os integrantes desse projeto, então, começaram a se mover nesse sentido.

Porém, o movimento sofreu um profundo abalo. Perdemos o Historiador e Doutor Luciano Augusto Bastos. Com isso, o grupo passou a  vivenciar o impacto da morte de Luciano. E de minha parte, mais uma vez, confesso e registro: houve, por isso, um sentimento semelhante a uma nau que, ainda, não achou seu rumo certo...

Mas vamos, se DEUS quiser, concluir esse projeto, isto é, de ter de novo o Amigo Chefe, o Otacílio de Aquino, entre nós.

Muito Obrigado!   


Dr. Luiz Alberto Nunes da Silva é magistrado da Comarca de Bom Jesus do Itabapoana

 O Norte Fluminense manifesta aos familiares de Delton de Mattos os sentimentos, pela perda irreparável. Deus conforte a todos.

Delton de Mattos vive!