quinta-feira, 25 de maio de 2017

Um grandioso poema de Elcio Xavier


Elcio Xavier: ícone da nossa literatura



POEMA DO DESALENTO


Elcio Xavier



Tu me pedias o silêncio
da flor que chora olhares,
e dei-te a solidão e mar.
Querias o frio e uivos nos vales
onde corações se perdem,
dei-te sombras andrajosas,
o velho mosteiro sem calor
e encruzilhadas fatídicas.

Agora me pedes a luz implume
com orvalho nos raios
e sons de amor na face.
Queres as ondas delicadas
onde se banham folhas
e perdidas aves matizam
suas asas de aventura.

Dar-te-ei apenas o crepúsculo 
de meus olhos envelhecidos.



(De ROSAQUARIUM, 2ª edição, 2017, Editora O Norte Fluminense)


"ROSAQUARIUM" foi lançado em sua 2ª edição, pela editora O Norte Fluminense

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Workshop Gratuito de Argila Medicinal em Cabo Frio







Da terra viemos e dela vivemos. Nossos antepassados sempre souberam utilizar os recursos que a terra fornecia. A argila medicinal é um laboratório de vida. Ela refresca, desinflama, descongestiona, purifica, cicatriza, absorve e acalma. Pode-se usar a argila medicinal em uso interno e externo. Aprender a utilizar esse potencial é voltar as nossas origens. A Terapeuta Holística Ana Thereza vai realizar o workshop gratuito de “Argila Medicinal” no espaço Cereall Gourmet, no dia 27 de maio, às 17 horas.
 
A argila absorve as impurezas e até substâncias tóxicas. No conteúdo do workshop: breve histórico da argila, propriedades curativas da argila, dicas para manter sua pele saudável e aplicação de máscara facial rejuvenescedora. Escritos antigos, anteriores a era cristã, mencionam o uso da terra de “Lemnos” para fins de cura. O naturalista romano Plínio consagrou um capítulo da sua “História Natural” ao tema.  Durante a 1ª Guerra Mundial, soldados russos recebiam dos seus comandantes 200gr de argila. Os nossos índios utilizam a argila como medicamento para picadas de cobra, o veneno sai, não incha e a dor é eliminada em poucos instantes. 

O workshop de “Argila Medicinal” é gratuito, mas pede-se a colaboração de um quilo de ração (para cão ou gato). Todo material arrecadado será doado para a Superintendência de Proteção dos Animais de Cabo Frio, que mantém diversos projetos sociais. O espaço de eventos do Cereall fica à Rua José Bonifácio, 28, Centro, Cabo Frio, telefone (22) 2629-6739.

terça-feira, 23 de maio de 2017

"Abelardo Luz deve ser visitado", diz bonjesuense




Gemima Pimentel


Abelardo Luz é um município localizado no oeste de Santa Catarina com  economia baseada na agroindústria.



Possui vastas plantações de soja, milho, trigo, contando com diversos frigoríficos de carnes e peixes.



O nome é uma homenagem a Abelardo Venceslau da Luz, descendente de Hercílio Luz, governador de Santa Catarina por três vezes. A região é de de muito frio, com temperatura que alcança números negativos. Já cheguei a pegar -3ºC.



Abelardo Luz é considerada a capital das sementes.


Diz-se que, em decorrência das plantações de trigo, lá aparecem OVNIs, que, inclusive, teriam deixado suas marcas com agróglifos, que são figuras geométricas ou grandes círculos, sem aparente explicação. 


Rica por suas belezas naturais e banhadas pelo rio Chapecó, conta com lindas quedas d'águas, sendo um local que deve ser visitado.





Gemima Pimentel é bonjesuense


segunda-feira, 22 de maio de 2017

LAJE DO MURIAÉ SEDIARÁ 1º CAMPEONATO REGIONAL DE BASQUETE






Laje do Muriaé foi privilegiada e será sede do 1º campeonato regional de basquete que acontecerá no dia 07 de Julho, na quadra coberta do antigo FAETEC, dentre as equipes confirmadas estão Laje do Muriaé, Itaperuna, e Miracema. Acontecerão também apresentações de capoeira e dança e mais novidades que estão por vir. No ambiente terá Wi-Fi liberado para atender a todos.


Atenciosamente, 
Maria Beatriz
​Diretora do CCMB (Centro Cultural Maria Beatriz)

domingo, 21 de maio de 2017

CIRCUITO CULTURAL FAZENDAS HISTÓRICAS




VINHO ENTRE ROSAS







O empreendimento "Bebidas & Cia", voltado especialmente para o vinho, foi estabelecido no acolhedor e próspero distrito de Rosal, a partir da segunda edição do tradicional Festival de Chorinho e Sanfona, em 2012.

Desde então, as portas do estabelecimento, situado em prédio histórico, na praça principal, se abriam apenas em épocas de festas.

O sucesso, contudo, fez com que a comunidade e visitantes possam contar todos os fins de semana com este aprazível espaço para seu deleite.



Marcele Nunes, funcionária da Bebidas & Cia














Vicentinos comemoram os 400 anos do carisma vicentino



Vicentinos dos municípios capixabas de Castelo, Alegre, Dores do Rio Preto e Guaçuí estiveram hoje no Santuário de Nossa Senhora de Natividade (RJ), comemorando os 400 anos do carisma vicentino. A próxima reunião comemorativa ocorrerá no final do mês, em Castelo.
Veja o texto emitido pela entidade, que reproduzimos abaixo, em
http://asvp.org.br/aniversario-de-400-anos-do-carisma-vicentino-sera-comemorado-com-reflexoes-em-apoio-aos-estrangeiros/


Comemora-se em 2017 o aniversário de 400 anos do carisma vicentino. A data será celebrada em todo mundo com reflexões em torno dos gestos de caridade empreendidos em favor dos estrangeiros. O padre Gregory Gay, Superior Geral da Congregação da Missão (ordem dos padres, fundada por São Vicente de Paulo), definiu que entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017 será o Ano da Acolhida ao Estrangeiro. O lançamento oficial deve ser feito no próximo dia 15 de maio, na Festa de Pentecostes.
A partir de 15 de maio, os líderes da Família Vicentina terão a responsabilidade de desenvolver um processo de reflexão e consulta no respectivo Ramo, trabalhando estreitamente com as equipes nacionais e regionais, sobre as seguintes perguntas: a) Quem são os estrangeiros ao nosso redor? b) Como estamos dando nosso apoio atualmente? c) Quais as novas necessidades que estão surgindo? d) Como podemos responder a estas necessidades? e) Somos nós os estrangeiros necessitados de acolhida?
As respostas a estas perguntas serão compiladas em outubro de 2016 e o resultado delas transformado em um plano de trabalho ao ano seguinte. Padre Gregory Gay dá pistas que podem orientar os trabalhos das pessoas que se dedicarão ao projeto, principalmente, elucidando o público-alvo da iniciativa. “São muitos: os refugiados que fogem da opressão e da pobreza; os desabrigados em suas cidades devido a guerras civis; os migrantes que buscam uma vida nova; os sem-teto; os enfermos físicos ou mentais; aqueles que sofrem discriminação por sua fé, raça ou cor; o jovem ou o ancião solitário e vulnerável. Muitas destas pessoas e situações já estão familiarizadas com o trabalho dos membros da Família Vicentina em nível global”.
O representante da Família Vicentina na Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP) é o confrade Cristian Reis da Luz Bigão, vice-presidente do Conselho Nacional do Brasil (CNB). Ele pede que os vicentinos divulguem a carta do padre Gregory Gay (baixe aqui), que foi traduzida pelo padre Joelson Sotem (também da Congregação da Missão-CM). Ainda aconselha que os confrades e as consócias pensem em estratégias globais. “Lembremos sempre que o carisma tem que ter sua chama acesa… na Igreja, na sociedade. Mais do que um Ramo, devemos pensar na família, no carisma! Somos portanto, desafiados a viver intensamente nosso carisma, reconhecendo nossos ‘Mestres e Senhores’ e agindo eficazmente com caridade, ‘fazendo o que a justiça sozinha não saberia fazer’”.

400 ANOS DO CARISMA

O carisma vicentino foi iniciado em 1617, na Igreja de Chatillon, quando Vicente de Paulo exortou os fiéis a ajudarem uma família pobre da Paróquia. A família foi salva pela pronta resposta a este convite à ação e como resultado deste momento, Vicente compreendeu que a caridade para ser efetiva devia também estar bem organizada, um evento que tem mudado o mundo nos últimos 400 anos.
Lançamento de logomarca é uma das atividades em comemoração aos 400 anos do carisma vicentino
A Família Vicentina se prepara para comemorar os 400 anos de instituição do carisma dela inspirado em São Vicente de Paulo. Foi o santo que em 1617 fundou a instituição Damas da Caridade, o primeiro Ramo vicentino que, depois, abriu as portas para a criação de muitas outras entidades, a exemplo da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP). Para celebrar a data, foi lançada a logomarca oficial.
A imagem é composta por um círculo (que representa o mundo, a história, a vida) formado por várias linhas coloridas (simbolizando os Ramos da Família Vicentina). “Estas linhas ou raios simbolizam as Congregações, grupos, associações fundadas a partir do carisma vicentino. Eles também simbolizam a sociedade, com suas imperfeições e alegrias, esperanças e fraquezas”, explica o padre Alexis Trujillo Cerquera, que apresentou a arte nesta semana no site internacional da Família Vicentina.
Ainda de acordo com a explicação do padre, as estrelas da logomarca remetem aos dois lugares teológicos onde Vicente de Paulo viu os traços de Deus na vida dele e que iniciou as obras de caridade: Gannes-Folleville e Châtillon-les-Dombes, ambas na França.
Já a cruz que corta o desenho representa a ressurreição de Cristo e a festa de Pentecostes. “A cruz nos lembra que é sempre um sinal de um novo espírito que vive dentro de nós e nos convida a viver como Família Vicentina em nosso mundo”, completa o padre.
Logo dos 400 anos do Carisma Vicentino
O Pe. Alexis Cerquera Trujillo compartilha conosco o logotipo que desenhou para os 400 anos do Carisma Vicentino.
Explicação do logo:
Foi construído a partir de uma figura básica:
O círculo: (o mundo, a história, a vida, etc.). Este círculo está formado por diversas linhas, organizadas de uma maneira “radiante” em diferentes cores (roxo, verde, azul…).
Estas linhas ou raios simbolizam as congregações, os grupos, associações… fundadas desde o carisma vicentino. Também simbolizam a sociedade, com suas imperfeições e alegrias, esperanças e cansaços…
Este círculo ligam as duas estrelas, que recordam dois “lugares teológicos” onde Vicente de Paulo viu as pegadas de Deus em sua vida e que, por palavras, se tornaram acontecimentos importantes: Gannes-Folleville e Châtillon-les-Dombes.
As estrelas: sua localização nos recorda o território francês. Estão unidas por uma cruz de luz que recordam a Ressurreição e Pentecostes.
A cruz nos recorda que é sempre um sinal de um novo Espírito que nos habita e nos convida a viver como Família Vicentina, em nosso mundo, razão pela qual o rosto de Vicente se encontra na intersecção da cruz.