segunda-feira, 27 de junho de 2016

ORGULHO BONJESUENSE


Wilma Martins Teixeira Coutinho



Quando eu disse certa vez
Que Bom Jesus era terra
De homens desbravadores
Com toda empolgação!
E que deu dois governadores

Falava com muita base,
Hoje uma lutadora
Desse seio varonil
Mostra a sua garra
Em defesa do Brasil

Ministrando o BNDES
Empresa de grande porte
Essa filha valente
Vai usar um pulso forte
Para o Brasil ir para frente

Orgulho de sua gente...




WilmaMTC

26/06/2016

Simplesmente Ismélia


SIMPLESMENTE ISMÉLIA


Autor: Gino Martins Borges Bastos


Veio de lá
Das montanhas libanesas de Remhala
Para os cafezais do Vale do Itabapoana
Merhige Hanna Saad
Prosperou e disse:
"O que ganho em Bom Jesus invisto em Bom Jesus"

Foi Alzira
Sua razão de viver
Vieram
José, Pico, Mariam, Maria Cristina
E simplesmente Ismélia
Desejo de amor

Um mundo de sonhos
Um mundo feliz
Em uma carta
Roberto lhe diz:


"Só mesmo uma tragédia insuperável seria capaz de nos afastar"


Vieram Jorge Roberto
Dora e Márcia,
O mundo a conquistar 
De repente
Despetala-se a flor
Ismélia sente
Os sorrisos e sonhos
Dão lugar às lágrimas
O vaticínio se realizou
Uma dor assim
Uma saudade sem fim


"Só mesmo uma tragédia insuperável seria capaz de nos afastar"

FESTA JUNINA SUPERA EXPECTATIVAS EM SACRAMENTO (MANHUAÇU/MG)




A Escola de São Sebastião de Sacramento, distrito de Manhuaçu (MG), realizou uma marcante festa junina no dia 25 de junho.


O que distingue a escola, de modo muito peculiar, é que a mesma não possui nenhum tipo de parceria institucional ou continuada com empresas ou instituições. A maior parceira desta escola é a própria comunidade de Sacramento, que tem se mostrado presente e participativa, sempre que solicitada, envolvendo-se em diversos eventos e campanhas. Além disso, a escola possui um quadro de pessoal diversificado, com todos os seus professores habilitados.


 A diretora Elizete Maria da Silva implementou importantes práticas pedagógicas na Escola

VEJAM OUTRAS FOTOS DO EVENTO
















domingo, 26 de junho de 2016

LIVRO RARO TRAZ DADOS RELEVANTES SOBRE A NOSSA REGIÃO


LIVRO RARO TRAZ DADOS RELEVANTES SOBRE A NOSSA REGIÃO
Carlos Alberto Ginaid da Silva, o Beto, e sua esposa, Maria José Bertonceli da Silva, possuem o original da obra rara "A HISTÓRIA DO ANTIGO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO ITABAPOANA"

O casal Carlos Alberto Ginaid da Silva, o Beto, e sua esposa, Maria José Bertonceli da Silva, de São Pedro do Itabapoana, distrito de Mimoso do Sul, pertence a duas das mais tradicionais famílias do município do sul capixaba.

Beto, que foi vereador por quatro mandatos, e é ativista na luta pelo Sítio Histórico de São Pedro, possui os originais de uma obra rara: "HISTÓRIA DO ANTIGO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO ITABAPOANA", escrito por Grinalson Francisco Medina, um ilustre escritor e jornalista são pedrense. Graças a Grinalson, pudemos ter acesso a informações relevantes não só para São Pedro, mas para toda a região.


"História do Antigo Município de São Pedro do Itabapoana"




Na página 6 dessa obra, a bonjesuense Claudia Martins Borges Bastos do Carmo localizou ilustração de seu tio-avô, Claudinier Martins, realizada em 1931. Claudinier foi destacado artista plástico em Campos dos Goytacazes (RJ), e é tio de Esio Bastos, fundador de O Norte Fluminense.

Claudinier Matins realizou ilustração para a obra de Grinalson, em 1931

Claudinier Martins sempre teve ligação com Bom Jesus do Itabapoana e realizou caricatura de Olívio Bastos, pai de Esio Bastos.

Claudinier Martins realizou caricatura de Olívio Bastos, pai de Esio Bastos, fundador de O Norte Fluminense, em 1943

Além disso, criou os personagens dona Miquelina e "seu" Pancrácio, que ilustraram, por anos, as edições de O Norte Fluminense, com críticas políticas e sociais.

Claudinier Martins criou os personagens dona Miquelina e "seu"  Pancrácio, que fizeram críticas políticas e sociais, por vários anos, nas páginas de O Norte Fluminense


Busto em homenagem a Grinalson Francisco Medina, em São Pedro do Itabapoana



"São Pedro do Itabapoana / Meu berço querido / E dos meus filhos / Cantá-lo é meu prazer/ Servi-lo é meu dever" Grinalson Francisco Medina (11/9/1883 - 11/9/1983)


O busto de Grinalson Francisco Medina está localizado no jardim em frente à casa onde residiu

A PRIMEIRA PROPRIEDADE DE BOANERGES BORGES DA SILVEIRA



O intendente Joaquim Teixeira de Siqueira era primo de Joaquim Teixeira de Siqueira Reis, genro de Boanerges Borges da Silveira


Boanerges Borges da Silveira, pai dos governadores Roberto e Badger Silveira, foi proprietário, em sua vida, de três propriedades rurais, todas em Calheiros, Bom Jesus do Itabapoana: a primeira foi a Fazenda do Meio, resultado de herança de sua esposa Maria do Carmo Silveira, a Biluca, tendo em vista o falecimento de seu pai, Joaquim Teixeira de Siqueira Reis, primo do intendente Joaquim Teixeira de Siqueira. A segunda, foi o Sítio Rio Preto, adquirida com recursos oriundos da venda da Fazenda do Meio. A terceira foi a Fazenda São Tomé, resultado da venda do Sítio Rio Preto e de empréstimo.



A PRIMEIRA PROPRIEDADE DE BOANERGES BORGES DA SILVEIRA


(Do livro ROBERTO SILVEIRA, A PEDRA E O FOGO, de José Sérgio Rocha, Casa Jorge, pág. 71, com inserções)


O fazendeiro Joaquim Teixeira de Siqueira Reis casou-se com Felicíssima Teixeira, a Ciça, quando esta tinha 13 anos. Foram dois os filhos: Maria do Carmo Teixeira, conhecida como Biluca, e João Teixeira de Siqueira, o Tote.


Após cinco anos de casamento, contudo, Joaquim faleceu, deixando uma fazenda de herança para os dois filhos. Uma fazendola que foi dividida ao meio. [Metade pertencia a Tote, metade à irmã.

Essa propriedade passou a ser conhecida, por esse motivo, como Fazenda do Meio. Outra corrente diz que o nome da Fazenda se deu pelo fato dela estar situada entre Barra do Pirapetinga e Calheiros]

O sogro de Ciça, João Teixeira de Siqueira, aconselhou-a a arranjar marido, escolhendo, então, para a nora, o administrador de sua fazenda, o mineiro Duarte Vieira Fraga, que era proprietário de uma olaria e fabricava um fumo de rolo grosso, só vendido na região.

O tempo passou e Boanerges Borges da Silveira, filho de Antônio Ignácio da Silveira e Maria Borges da Silveira, passou a gostar de Biluca.


Ocorre que Duarte não permitia o relacionamento, porque o mineirão detestava almofadinhas. 

Boanerges Borges da Silveira


Boanerges acabou indo para o Rio de Janeiro e ingressou na faculdade de engenharia, mas largou os estudos e foi trabalhar numa tipografia e, posteriormente, em uma gráfica. Arranjou emprego público e retornou a Calheiros, maior de idade, disposto a pedir a mão da enteada do homem que não suportava mãos sem calos.

Após muita insistência, contudo, Duarte acabou cedendo e autorizando o matrimônio entre ambos.


Por ocasião do casamento de Biluca com Boanerges, para mostrar a todos que ela não era uma órfã desprotegida, Duarte organizou a maior festa de casamento já vista em Bom Jesus. Foi a partir desse gesto generoso que Biluca passou a chamá-lo de pai.

Duarte guardava uma carta na manga. Já que ia pagar a conta do casório, escolheu o local da festança. Foi num sítio em Barra de Pirapetinga, justamente o pedaço de terra destinado a Biluca na partilha de bens feita muitos anos atrás, quando da viuvez de Ciça Teixeira.  

No dia seguinte, Duarte viu Boanerges se aprontando para voltar para Bom Jesus e, de lá, para o Rio de Janeiro, onde pretendia morar com a mulher. Chamou-o num canto: - Tomei conta das coisas da sua mulher até hoje. Agora a terra não é mais só dela. É sua também. Eu não quis o casamento. E, sendo agora sua propriedade, não tomo mais conta dela. Você não vai para o Rio. Vai é ao Banco Hipotecário, em Campos, porque lá está todo o dinheiro do sítio.



A FAZENDA DO MEIO 

Tulha da época dos escravos ainda permanece de pé, na Fazenda do Meio

A respeito da Fazenda do Meio, Atalibia Boechat,  nascida em 24/11/1945, filha de Amélia Boechat Borges e Antônio José Borges, da Barra do Pirapetinga, lembra que seu avô Marciano Domingues adquiriu-a de Boanerges. Conta ela: 

"Meu avô, Marciano Domingues, era companheiro de Boanerges em negócios envolvendo café. Ele era chamado de Pai Eta. O apelido se deu pelo fato de vovô morar na Fazenda do Leite, próximo a Mirindiba. Como nós, quando crianças, não sabíamos pronunciar a palavra 'leite' corretamente, acabávamos dizendo 'eta'. Assim, passamos a chamar nosso avô de Pai Eta e nossa avó, Atalibia Boechat Domingues, de Mãe Eta" .

Atalíbia Boechat: resgate da história da Fazenda do Meio


Atalíbia diz que sua mãe Amélia gostava de contar histórias para ela e sua irmã Ana. "Mamãe contava que meu avô Marciano comprou a Fazenda do Meio, que ficava entre Barra do Pirapetinga e Calheiros, e que pertenceu a Boanerges Borges da Silveira, pais dos governadores Roberto e Badger Silveira. A compra foi feita 'com porteira fechada,'  o que significa dizer que tudo o que estava dentro da fazenda foi adquirida".

Prossegue ela: " No primeiro dia em que minha mãe foi dormir na Fazenda do Meio com os doze irmãozinhos, juntamente com os avós, todos ficaram muito contentes, pois cada um passou a ter seu quarto. Por volta das duas horas da madrugada, contudo, alguns irmãos disseram que viram assombração. Foi uma gritaria geral na Fazenda e todos acabaram indo dormir no quarto dos meus avós.
   
Assim que a Fazenda do Meio foi vendida para meu avô Domingues, minha madrinha Carolina Domingues Boechat, que era minha tia, acabou ficando com alguns móveis que pertenciam a Boanerges e Biluca. Posteriormente, os móveis foram transmitidos para meus pais Antônio José Borges e Amélia Boechat Borges. Esse guarda-roupa que, com satisfação, permutei com a Associação dos Amigos do Memorial Governadores Roberto e Badger Silveira é um deles", finaliza Atalíbia.

Guarda-roupas que pertenceu a Joaquim Teixeira de Siqueira Reis, na década de 1890, e a Boanerges Borges da Silveira 














sábado, 25 de junho de 2016

BONJESUENSE SE DESTACA EM SINDICATO DE VOLTA REDONDA



Roberto Galo

 O bonjesuense Roberto Galo se destaca na presidência do Sindicato dos Empregados no Comércio de Volta Redonda. Veja a matéria abaixo e o discurso por ele proferido durante a inauguração da nova sede da entidade..

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE VR ESTÁ DE CASA NOVA

Feliz o trabalhador que tem um sindicato representativo e que defende os interesses da categoria. O SEC-VR – Sindicato dos Empregados no Comércio de Volta Redonda está de casa nova. Depois de funcionar, há décadas, na Avenida Getúlio Vargas, 945, no Centro, a partir do dia 6 de abril, data de inauguração da nova sede, o SEC-VR passou a oferecer os serviços à classe comerciária em novo endereço, Rua Dioneia Andrade Faria, 173, no bairro Aterrado.
A nova sede que tem 4 andares, conta com duas salas de recepção, sala de triagem, secretaria, laboratório de coleta pra exames, espaço pra descarte do lixo, elevador, refeitório, almoxarifado, sala do Presidente, secretaria, e no último pavimento, uma enorme área que abrigará consultórios médicos com algumas especialidades que ainda estão sendo definidas pela diretoria.Visando o bem estar e a saúde bucal da classe comerciária, o SEC-VR construiu 4 consultórios odontológicos. Com equipamentos de última geração, e estrutura de ponta, os associados terão atendimento nas especialidades de ortodontia, endodontia e periodontia, além declínica odontológica. Dos 4 consultórios odontológicos, 2 possuem Raio X próprio e um ultrassom móvel facilita o trabalho dos dentistas nos 4 consultórios. O convênio com uma clínica radiológica facilita, também, a realização de exames e documentação ortodôntica.
SEC-VR sempre esteve preocupado com a prevenção e a saúde do comerciário. Com a estrutura da nova sede, o Sindicato dos Empregados no Comércio de Volta Redonda pretende trabalhar na prevenção e incentivar os empresários a criar uma agenda dos comerciários associados pra frequentarem o dentista de forma preventiva independente de qualquer dor.
“É um sonho que virou realidade. Foram 4 anos de obra pra chegar até aqui com a nova sede. Algumas coisas ainda serão feitas após a inauguração, mas, a casa nova do Sindicato dos Empregados no Comércio de Volta Redonda está pronta pra recebê-los de braços abertos. Tivemos o cuidado e cumprimos todas as exigências da Vigilância Sanitária pra construir os consultórios odontológicos, uma das áreas mais caras da saúde. Entendemos que a classe comerciária é muito sofrida e merece todo o nosso respeito com uma estrutura ampla e adequada”, revelou emocionado o Presidente do SEC-VR, Roberto Galo.

A inauguração da nova sede do Sindicato dos Empregados no Comércio de Volta Redonda aconteceu no dia 6 de abril, às 19 horas, Rua Dioneia Andrade Faria, 173, no bairro Aterrado. A cerimônia contou com a presença de representantes da Federação dos Empregados do Comércio do Estado do Rio de Janeiro e Espirito Santo, da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio, do Sindicato dos Comerciários de São Paulo e de autoridades locais.

A seguir, o discurso proferido por ocasião da inauguração da nova sede.



Queridos comerciários,
Antes mesmo de nascermos a expectativa que geramos em nossos pais nada mais era de que um grande sonho.
Nossos pais sonharam como seríamos e o que seríamos.   
Crescemos em meio aos sonhos e vivemos de sonhos.
Augusto Cury, escreveu em um de seus livros:“Sem sonhos, a vida é uma manhã sem orvalhos, um céu sem estrelas, um oceano sem ondas, uma vida sem aventura, uma existência sem sentido. Sem sonhos, a vida não tem brilho. Sem metas, os sonhos não têm alicerces. Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais. ”
Martin Luther King no dia 28/08/1963, escreveu um discurso cujo título é: “Eu tenho um Sonho”. O sonho de Luther King era um sonho libertário que motivou não só os Estados Unidos da América, mas, o mundo inteiro foi despertado por sua garra e por seu sonho para viver um novo tempo. Por esse SONHO, ele viveu e por esse mesmo sonho ele morreu.

Pe. Antônio Francisco de Mello foi um padre português que muito contribui para o desenvolvimento cultural da minha querida terra natal, Bom Jesus do Itabapoana. Era engenheiro, arquiteto, jornalista e poeta e deixou um lindo poema, cujo título é: MORRER SONHANDO.

Esses sonhadores, conseguem com suas palavras definir muito bem o que estamos sentindo nesse importante momento. Sonhamos com o dia em que os Trabalhadores no Comércio de Volta Redonda pudessem ser atendidos de forma digna e honrada como bem merecem.
O prédio onde vocês eram atendidos era sombrio e inadequado como uma manhã sem orvalho ou uma noite sem estrelas.
Sonhamos... traçamos metas; alicerçamos esse nosso sonho e hoje, depois de uma árdua luta, o sonho se torna realidade.
Na longa noite que vivemos esse sonho, também tivemos pesadelos:a saúde sofreu abalos...o desânimo veio... e porque não dizermos que até mesmo em alguns momentos a desmotivação tentou se alojar.
No entanto, o sonho sobreviveu aos intemperes das manhãs sem orvalho, do céu muitas vezes cinzento e sem estrelas.
Tivemos pesadelos! Mas nunca desistimos do nosso Grande Sonho.
Hoje, entregamos aos Empregados no Comércio da cidade de Volta Redonda a nossa tão sonhada Sede Própria. Não é apenas uma obra de estrutura física, mas, uma obra que em seu bojo tem o mais importante: VOCÊ COMERCIÁRIO.
Sonhamos em dar a você que contribui para o desenvolvimento da nossa cidade, bem como seus familiares um atendimento de qualidade.
São vocês que farão com que esta obra, torne-se um bem social.
Essa obra faz parte de você que atende com dedicação a população de Volta Redonda.
Nela vocês terão, ambiente climatizado, guichês individuais de atendimento, nosso tradicional “suquinho”, salas de homologação, banheiros exclusivos, sala de coleta de material para exames clínicos, um andar inteiro dedicado a Clínica Odontológica com modernos equipamentos e sala de RX, além do costumeiro atendimento da nossa dedicada equipe de trabalho.
Jamais deixaremos de sonhar!
Somos eternos sonhadores!
A equipe do SEC/VR, jamais deixará de sonhar.
Mas, por alguns instantes, nos permitimos acordar... e ver que o sonho se tornou realidade.
Agradecemos em primeiro lugar a Deus que em meio a tantas lutas nos concede mais essa Grande Vitória; agradecemos a você comerciário que nos proporcionou o privilégio de sonhar e a todos os diretores e funcionários desta casa que não pouparam noites desejando que esse grande sonho se tornasse realidade.
Outras noites virão e junto delas outros sonhos virão, porque jamais deixaremos de sonhar.
Encerro com um trecho do poema do Pe. Antônio Francisco de Mello de quem fiz menção ainda a pouco.
Esse poema povoou a minha infância, até hoje me serve de motivação e se encerra com os seguintes versos:
Morrer sonhando é despertar na glória.
Eis a vitória!
Morrerei assim!
Eis aí Comerciário de Volta Redonda a nossa tão sonhada Sede Própria.
Essa é a sua casa!
Mas, deixamos com você ao nosso eterno lema:
O SONHO NÃO ACABOU!




SÃO PEDRO DO ITABAPOANA: UMA VIAGEM AOS ENCANTOS DO PASSADO





Capela de São Pedro Alcântara, construída em 1855
Neste mês de junho, ocorreu no Sítio Histórico de São Pedro do Itabapoana, distrito de Mimoso do Sul (ES), o II Casa Aberta, evento em que prédios históricos são abertos para oferecerem ao público diversas alternativas de bens. 


Estar em São Pedro do Itabapoana é como se transportar aos encantos do século XIX e início do século XX.
O Museu de São Pedro de Alcântara é uma de suas maravilhas. Funciona em prédio construído no século XIX, cedido por comodato pela Igreja Católica.

 Museu contém peças raras dos colonizadores da região
A chegada dos primeiros carros em São Pedro, em 1920



O  Antiquário São Miguel é outro dos encantos de São Pedro do Itabapoana
Uma das peças de destaque do Antiquário São Miguel


Ruas construídas por escravos são um dos marcos do Sítio Histórico
O cantor bonjesuense José Antônio Borges Alvarenga foi um dos destaques do II Casa Aberta


São Pedro do Itabapoana: um lugar que merece ser visitado



OS 88 ANOS DE MAURINO VASCONCELOS


Maurino Vasconcelos


Maurino Vasconcelos completou 88 anos de idade no dia 10 de junho passado, em São Pedro do Itabapoana, distrito de Mimoso do Sul (ES), com impressionante jovialidade e idealismo. Casado com Wilma Vasconcelos, ele nasceu em Sossego de Imbé, distrito de Santa Maria Madalena, no Estado do Rio de Janeiro. Com cerca de 5 anos veio morar com os pais na Fazenda do Recreio, próximo a São Pedro do Itabapoana.


 Com 18 anos de idade, integrou-se ao exército no Rio de Janeiro, na Divisão de Blindados. 
 “De manhã, tomo leite e como banana. No almoço, gosto de comer angu com feijão. A genética é importante. Se os pais têm boa genética, os filhos nascerão mais saudáveis”, diz Maurino, que tem muita história para contar: "meu pai era anti-getulista, na época de Artur Bernardes, que resolveu interiorizar o curso universitário, criando, por exemplo, o que hoje é a Universidade Federral de Viçosa (MG)".

Um dos interesses de Maurino é a cachaça. Segundo ele, hoje a cachaça virou produto de exportação. "A melhor cachaça do Brasil é a 'Anísio Santiago'. Antigamente ela se chamava 'Havana', mas Fidel Castro patenteou a marca, porque não desejava que o nome da capital de Cuba ficasse ligado a marca fora do país. A cachaça passou a se chamar, então, Anísio Santiago", explica.

Maurino busca, então, documentos e informa que "João Coelho dos Santos, nascido em São Pedro do Itabapoana, foi filho de ex-escravos e se tornou o primeiro médico da região. Seu seu nome foi dado ao Posto de Saúde da comunidade". Lembra ainda, de Leandro Marielli de Souza, que "é outro dos filhos ilustres de São Pedro do Itabapoana. Sobrinho de Balbino Miguel, o proprietário do Antiquário São Miguel, ele possui pós-doutorado pela USP, e é requisitado no mundo, por sua qualificação profissional".

Maurino, aos 18 anos, na Divisão de Blindados do Exércio, no Rio de Janeiro


O casarão onde Maurino reside foi construído pelo  Comendador Leopoldino Gonçalves Castanheira. Posteriormente, o mesmo  passou à propriedade do Coronel Clarindo Lino da Silva. “Eu adquiri este prédio, que é tombado, do neto de Clarindo, Marcos Rogério”.

Casarão onde reside Maurino foi construído pelo Comendador Leopoldino Gonçalves Castanheira, na época imperial


Continua Maurino: "Antigamente, para cursar o primário, eu andava cerca de 6 quilômetros, a pé e descalço, fizesse sol ou chuva.  Na escola não havia merenda nem banheiro, mas nós estudávamos, porque tínhamos amor  aos estudos e à vida.  Hoje, contudo, a gente não vê mais isso”, lamenta, para completar: "Não me meto em política, o meu objetivo de vida é continuar comendo angu e feijão, mas infelizmente tenho de reconhecer que  São Pedro está largada".


Maurino entende ser perfeitamente possível São Pedro do Itabapoana recuperar sua segunda emancipação: “ os distritos de Ponte de Itabapoana e de Dona América poderiam  integrar o município de São Pedro do Itabapoana”, sonha, enquanto comemora mais um aniversário, junto de sua querida esposa, de parentes e amigos.


Parentes e amigos cantaram parabéns para Maurino no espaço da "Leila Doces"

O Norte Fluminense deseja a Maurino Vasconcelos muitos anos de vida!


IRMÃOS BONJESUENSES SE DESTACAM EM SÃO PEDRO DO ITABAPOANA



Marília Almeida movimenta o centro histórico de São Pedro do Itabapoana com o restaurante "Bistrô Histórico"

Os irmãos bonjesuenses Leila e Rossini Almeida, assim como a prima Marília Almeida, se destacam em São Pedro do Itabapoana, Sítio Histórico de Mimoso do Sul (ES), por ocasião do II Casa Aberta, evento que ocorre em todos os fins de semana do mês de junho.



Leila Almeida faz sucesso com seus doces, localizado em prédio histórico de São Pedro do Itabapoana

Rossini Almeida, juntamente com Balbino Miguel, organizaram, com êxito, mais um Casa Aberta

UMA ROSA PARA O MEMORIAL GONVERNADORES ROBERTO E BADGER SILVEIRA




Nasceu uma rosa próxima à construção do prédio do Memorial Governadores Roberto e Badger Silveira, na semana em que serão assentadas janelas e porta.


O cronograma para a inauguração do Memorial, no dia 7 de agosto, está sendo devidamente observado. Na próxima semana deve ocorrer a instalação elétrica, seguida de pintura e fixação do piso.


Todo o sacrifício empenhado nesta obra, que fará do Sítio Rio Preto um centro de desenvolvimento cultural da região, constitui um dever para com nossa rica história e com nossos heróis.


                                  ROBERTO E BADGER SILVEIRA VIVEM!

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Apenas...três quadras







 
                           O meu livro a sair,


                              - por enquanto está fechado -


                              quando ler irá sorrir,


                              sorrir sim... não amuado!


 


                              Sei e bem, sou bom poeta,


                              não tanto como leitor.


                              Minha mente sempre aberta,


                              escrevo muito pró-leitor.


 


                              Nos rios bailam peixinhos,


                              nos mares bailam peixões,


                              os lábios, quando beijinhos,


                              bailam rodam os piões.


 


                              Junho/2016


                                             José Pais de Moura