domingo, 10 de março de 2013



BOM JARDIM

Praça de Bom Jardim


José Carlos Tardin nasceu em Valão Dantas e, há 45 anos, reside em Bom Jardim, zona rural de Bom Jesus do Itabapoana. Filho de Braz Caradoso e Delvira Tardin, tem como avô paterno o mineiro Antônio Cardoso e como avós maternos Ernesto Tardin e Maria Pontes, ambos oriundos da Serra do Tardin, próximo dali. José Carlos desconhece que seu sobrenome Tardin tenha origem suíça: "nada sei a respeito", diz ele.

José Carlos Tardin: uma vida tranquila em Bom Jardim


Segundo José Carlos, em Bom Jardim "praticamente tudo é pasto, ninguém planta, porque não compensa mais. Há proprietário de 30 alqueires de terra e que não planta nada", lamenta. Casado com Dulcineia de Freitas Tardin, possui 5 filhos: Dulcilane, José Augusto, Ângela, Carlos José e Lucinéia. Os últimos quatro residem com ele. Possui, ainda, dois irmãos: Maria Elza Tardin e Jacy, falecido. Não obstante a situação assinalada, ele diz: "gosto de viver em Bom Jardim, pois vivo uma vida tranquila", finaliza José Carlos.

Sebastião Saboia e o prédio histórico: legado do seu pai



Sebastião Sabóia é nascido e criado em Bom Jardim. Funcionário do SAAE, é filho de Manoel Francisco Sabóia e  Magnólia Sabóia. Casado com dona Penha, possui três filhos: Fábio, 24, Beatriz, 19, e Mateus, 12. Seu pai construiu um prédio, na década de 1930, que é o único que preserva os traços originais, uma vez que todos os demais de Bom Jardim foram demolidos. As toras encaixadas e a parte superior da parede externa feita com estuque dão conotação histórica ao prédio.



Cléber da Silva Aguiar e sua mercearia: procurada por moradores da região


Cléber da Silva Aguiar, por sua vez, é o proprietário de uma bem equipada mercearia em Bom Jardim. Com 33 anos de idade, ele diz que "pessoas da região, como Córrego Seco, Sesmaria, Cachoeira e Serra do Tardin, compram aqui. Comecei vendendo ração para animal, mas a cada mês vou ampliando a oferta de produtos, de acordo com a necessidade dos moradores que totalizam cerca de 800 (oitocentas) na região".

Filho de Élbio Teixeira e Luzia Aguiar, tem como avós paternos Sebastião Doca e Amélia Teixeira. José Bonfim é o bisavô paterno. Os avós maternos são Valter Ludgero e Florisbela Dias, conhecida como dona Vela. Segundo Cléber, seu avô Valter Ludgero foi compadre de Luciano Bastos e seu tio Jorge Dias foi afilhado do mesmo. Cleber possui duas irmãs: Claudinéia e Cleunice. No próximo dia 28 de março ele comemora um ano como microempreendedor e faz planos de desenvolvimento do seu comércio.

Igreja de Bom Jardim

PONTE CEDEU APÓS A PASSAGEM DA REPORTAGEM DE O NORTE FLUMINENSE


Pouco depois da passagem do veículo da reportagem de O Norte Fluminense, a ponte que dá acesso a Bom Jardim cedeu, o que deve prejudicar consideravelmente os moradores da localidade por bastante tempo, e é um alerta ao poder público municipal para que passe a fiscalizar as pontes do município.


Ponte cedeu, repetentinamente: alerta para o poder público municipal


Um comentário:

  1. Muito bons os artigos a respeito das famílias tradicionais de nossa cidade,como também as reportagens sobre as fazendas antigas do Município. Pena que estão em extinção,a maioria não existe mais ou está em ruinas.Não sei a SECRETARIA DE CULTURA MUNICIPAL OU ESTADUAL possui algum projeto para tombamento e restauramento.Bom se fizessem como no Espírito Santo. Exemplo é MUQUI, SÃO PEDRO ITABAPOANA ETC.Mas de qualquer maneira seria muito bom se as famílias tradicionais contassem suas histórias. Exemplo foi a história de GISLAINE da FAZENDA CRISTALINA. Gostei muito.Tambem a istória da COMUNIDADE DE BOM JADIM,muito boa.

    Parabéns.

    JOSÉ LUIZ DA SILVEIRA (BONJESUENSE)
    RES.EM MARATAIZES-ES.

    ResponderExcluir