domingo, 9 de junho de 2013


Da série Entrevistas de O Norte Fluminense


A HISTÓRIA VIVA DE UMA TRINETA DO ALFERES FRANCISCO DA SILVA e NETA DO CORONEL LUIZ VIEIRA DE REZENDE


Maria Elisa Rezende Ribeiro, a dona Mariinha
                                                                                                 
Maria Elisa Rezende Ribeiro, a dona Mariinha, nasceu no dia 06/11/1924, na Fazenda do Barro Branco, propriedade de seu avô, o Cel Luiz Vieira de Rezende, o 2o. prefeito de Bom Jesus do Itabapoana, de janeiro a maio de 1892. Ex-aluna do Colégio Rio Branco, ali formou-se professora e trabalhou por vários anos.



Coronel Luiz Vieira de Rezende (acervo da Câmara Municipal de Bom Jesus do Itabapoana)



O Cel Luiz Vieira de Rezende é oriundo de Laranjal (MG), enquanto sua esposa, Amélia Augusta Dias Lopes de Rezende, nasceu em São João Nepomuceno (MG) . Após as núpcias, o casal mudou-se para a Fazenda Boa Fortuna, em Calheiros.
Dona Mariinha é filha de Breno Vieira de Rezende e Lucília Bastos de Rezende. Deve-se registrar que a mãe de dona Mariinha, Lucília, é bisneta do alferes Francisco da Silva Pinto.


 Lucília Bastos de Rezende e Breno Vieira de Rezende, pais de Mariinha


Eis a sua genealogia:
Maria Elisa

Mãe: Lucília Figueiredo Bastos Rezende + Breno Vieira de Rezende
Avó: Virgilina Figueiredo Bastos (Nhazinha) + Ildefonso Garcia Bastos
Bisavó: Maria Madalena Pinto Figueiredo + Carlos Rodrigues Firmo
Trisavô: Francisco da Silva Pinto + Francisca de Paula Figueiredo

Dona Mariinha possui 9 irmãos: Luís (falecido), Moacir (falecido), Alzira, Dirce, Hilda (falecida), Renato, Antônio Carlos (falecido), Marina e Célia.

Foi casada com Modesto Moraes Ribeiro e teve convívio intenso com a mãe deste, Francisca Moraes Ribeiro, conhecida como "Doninha", esposa de Francisco Alves Ribeiro de Aquino, o "Chichico das Areias", proprietário da Fazenda das Areias, e neto do Barão de Aquino.



Doninha e Regina

Foi Doninha quem relatou a dona Mariinha muitos fatos sobre a vida de Chichico das Areias. A mãe deste, Elsa Cândida de Aquino, filha do Barão de Aquino, faleceu quando Chichico contava com 6 meses de idade. Por este motivo, o pai de Chichico, o capitão Modesto Ribeiro, resolveu mudar-se para a fazenda Santa Rita, localizada em Natividade (RJ), trazendo seus dois filhos: Chichico e José.
Foi Preta Eva quem criou Chichico das Areias. Este tornou-se proprietário da Fazenda das Areias quando se tornou maior de idade, com o apoio de seu pai e de parte da herança recebida. A máquina de café da fazenda foi nominada "Eva", por conta da estima de Chichico pela ama de leite.

"O pai de Chichico relacionou-se com Eva, nascendo daí o mulato Josino. Posteriormente, o Capitão Modesto casou-se em Carangola (MG), com dona Carola, tendo um filho de nome Edmundo", diz dona Mariinha.
Chichico das Areias casou-se com Doninha quando contava com 28 anos de idade. Doninha era filha de João Catarina, proprietário da Fazenda do Bonito, que se dedicava principalmente à criação de gado.


Chichico das Areias e Doninha
O casal ateve 10 filhos: Irma, Alice, Vera, Elisa, Ercília, Maria Teresa, Ceni, Zezé, Modesto e Francisca.
Dona Mariinha se recorda da Fazenda das Areias: " havia máquinas de café, de arroz e para debulhar milho. Recordo-me de 3 grandes tachos utilizados para se fazer açúcar, assim como do engenho de serra, empregado para serrar madeiras. Havia, também, um grande alojamento para os empregados".



A partir da esquerda: Edmundo (irmão de Chichico), José Seródio, Nido, Djalma, Alice, Modesto, Chichico,Tira Couro e Zezé
 
"Por volta das 3h, o café estava pronto com broa para os empregados. Recordo-me de três: Tiracouro, José Messias e José Macaco. As mulheres iam também para a roça colher café em Pedra Branca e Tijuco Preto. Cerca de 4 tropas, consistindo de 10 a 12 burros cada uma, e dois tropeiros, saíam para as plantações de café, que se localizavam longe da sede da fazenda, retornando por volta das 16h. Às 14h era servida a janta, e, às 19h, Doninha oferecia uma ceia a todos", lembra Mariinha.


Doninha faleceu com 64 aos de idade e, por este motivo, Chichio das Areias resolveu mudar-se para Bom Jesus do Itabapoana, onde faleceu. Em seu inventário, objetivando preservar a Fazenda das Areias, estabeleceu que a mesma não poderia ser vendida pelos herdeiros, assim como os dois alqueires ao redor da mesma.
Doninha e irmãos. Em pé: Tavico, Teresinha, Amélia e Nido. Sentadas: Otelina e Doninha, em seu último aniversário
                                
Dona Mariinha e Modesto tiveram três filhos: Renato, Modestinho e Regina. Possuem sete netos e treze bisnetos.


Mariinha e Modesto

Mariinha se sente uma pessoa realizada, mas há 50 anos não vai à Fazenda das Areias:  "Lá, era um lugar onde só havia alegria. Era festa o tempo inteiro. Hoje, contudo, o lugar é triste, está acabado", finalizou.

                                  
Fazenda das Areias, no distrito de Pirapetinga de Bom Jesus...


...e o outrora quarto de Chichio das Areias e Doninha



Fazenda das Areias em sua época áurea


Um comentário:

  1. Ótima história, uma pena a fazenda ter tido o fim que teve, poderia ter se transformado em uma instituição cultural, o que essa região precisa urgente.
    Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir