sábado, 15 de agosto de 2015

ENTUSIASMO NA NAUGURAÇÃO DO MUSEU DA CACHAÇA VELHA MATINHA







Entusiasmo é o que se pode referir à inauguração do Museu da Cachaça Velha Matinha, na Fazenda Mattinhos, distrito de Serrinha, ocorrida no dia 9 de agosto passado, por ocasião do 3º Passeio Cultural, dentro dos eventos do 6º Circuito Cultural Arte Entre Povos, em Bom Jesus do Itabapoana.



Luciano de Souza Nunes, o atual proprietário da fazenda, brindou a todos os visitantes e a Bom Jesus com um empreendimento que pode ser considerado de primeiro mundo.

Luciano Nunes e as boas-vindas à comitiva do 6º Circuito Cultural Arte Entre Povos

Após as boas-vindas de Luciano Nunes, e a apresentação dos integrantes da caravana por Gino Martins Borges Bastos, o cerimonialista Jailton da Penha discorreu sobre a história da Fazenda Mattinhos, que foi fundada em 1850. Estiveram presentes ao evento o vice-prefeito Jarbas Borges e o vereador Clerinho da Soledade.

Jailton da Penha atuou como cerimonialista, com o brilho de sempre

Em seguida, os visitantes foram ciceroneados pelo engenheiro químico João Figueiredo Viana, de Visconde do Rio Branco (MG), que trabalha na fazenda há cerca de 3 anos, e explicou aos visitantes todo o processo de fabricação da cachaça.




João Figueiredo Viana: explicações sobre a produção da cachaça Velha Matinha

Segundo o técnico, Luciano Nunes pretende inaugurar um fábrica de açúcar mascavo no início do próximo ano, o que deve gerar cerca de 36 (trinta e seis) empregos diretos:  "Ano que vem, com a instalação da fábrica de açúcar mascavo, a perspectiva é de produzir de 4 a 5 toneladas de açúcar mascavo por dia", pontuou.






Figueiredo salientou, ainda, que " as grandes empresas, incluindo as multinacionais, estão todas se voltando para o açúcar mascavo, pois o mesmo não possui aditivos químicos, havendo, atualmente, uma exigência mundial de alimentação natural. É por este motivo, que não existe a palavra crise neste setor, que está sempre crescendo. Não há, assim, como retroceder em relação a este empreendimento. Além disso, temos a ideia de instalar, no futuro, um laboratório, que poderá ajudar na melhor qualificação dos produtos da Fazenda Mattinhos", assinalou.

 


Peças do século XIX
 

Peças de engenho do século XIX são algumas das relíquias que tornam o Museu da Cachaça Velha Matinha um autêntico museu a céu aberto. 
  


O acervo conta com peças oriundas da Inglaterra, Alemanha, França e Estados Unidos.

















 







Antigo vestiário do União FC




Antiga escola serve como alojamento






Entrada para a sede da fazenda

Palmeiras imperiais abrem caminho para a  sede da Fazenda Mattinhos



Degustação de caipirinha

O evento encerrou-se em alto estilo, com Luciano Nunes promovendo a degustação de caipirinha preparada com a Cachaça Velha Matinha, que foi aprovada por todos.




 

 






 








 Quem é Luciano de Souza Nunes

Luciano Nunes:  tradição e desenvolvimento



Luciano de Souza Nunes, além de proprietário da antiga Fazenda Mattinhos, é presidente da Câmra de Vereadores, exercendo o mandato há 7 (sete) legislaturas seguidas. Pertence a uma linhagem de políticos que remonta ao século XIX. Seu bisavô, o Coronel Elias Nunes da Silva, casado com Maria da Silveira Nunes, foi vereador (intendente) durante a 1ª emancipação de Bom Jesus ocorrida em 25 de dezembro de 1890. Posteriormente, quando Bom Jesus foi rebaixado à condição de distrito de Itaperuna (RJ), os bonjesuenses elegeram-no vereador por esse município.

Tito Nunes, que foi deputado estadual pelo PTB, na década de 1960, e Mário Nunes, vereador  pelo PSD, foram filhos do Cel. Elias Nunes. Delton de Mattos, neto de Tito Nunes, alcançou o alto posto de secretário de educação no Governo Raimundo Padilha e é um dos grandes escritores bonjesuenses.

Luciano Nunes, ao inaugurar o Museu da Cachaça Velha Matinha, resgata parte da rica história de Bom Jesus do Itabapoana, ao mesmo tempo que fomenta o turismo no município. O anúncio da inauguração da fábrica de açúcar mascavo, criando dezenas de empregos diretos e indiretos, aponta para dias melhores para a região. "Faço questão de preservar este rico acervo histórico, conciliando-o com o desenvolvimento econômico", ressalta Nunes.












































3 comentários:

  1. FIQUEI MUITO FELIZ E EMOCIONADO AO REVER A FAZENDA MATTINHOS ONDE PASSEI BELOS DIAS DE MINHA MOCIDADE COM OS FILHOS
    DO SEU LAURO E DE DA. DORA E DO NELSON MOTTA
    BACANA E PARABÉNS AO LUCIANO NUNES E EQUIPE
    VALEU
    CLEBER
    Distrito Federal, por e-mail

    ResponderExcluir

  2. Bela reportagem, um espetáculo a ser visto e conhecido. Parabéns. Viajei na história.

    Wilma Martins Teixeira Coutinho, de Niterói (RJ), por e-mail

    ResponderExcluir