sexta-feira, 5 de maio de 2017

DOIS DESCENDENTES DE LIBANESES EM BOM JESUS DO ITABAPOANA



Os irmãos Olívia e Said Felício


Said Felício, nascido em 13/07/1929, é bonjesuense filho dos libaneses Cezar Felício e Helena Lofer, que vieram para o Brasil no início do século XX.

Cezar Felício era mascate e fixou-se em Bom Jesus do Itabapoana, tornando-se comprador de café e instalando o comércio A CASA DA MODA, no prédio onde está atualmente situada a Sorveteria de Neve, na Praça Governador Portela.

Na parte superior do prédio, Cezar Felício estabeleceu a família. Foi ali que nasceram os cinco filhos: Luci e Bárbara, já falecidas, Olívia, Said e Hitler. 

"Meu pai era proprietário, na década de 1930, de um veículo Okland. Com a Revolução de 1930, os revolucionários acabaram requisitando o veículo, o que contrariou meu pai, já que o carro era novo. Ele entrou, então, cm contato com o deputado estadual Cesar Ferolla e pediu que o carro não fosse levado para longe. O fato é que o veículo ficou cerca de dois a três dias servindo os soldados".


Oakland, na Praça Governador Portela, com Cezer Felício e Helena Lofer,  no primeiro plano. No segundo plano, os filhos Said, Luci e Bárbara. No terceiro plano, a avó Bárbara Lofer. Veículo foi requisitado pelos revolucionários de 1930


Quanto a esse fato, o magistral escritor bonjesuense, Octacílio de Aquino, publicou, em 1930, no livro "Antes da Revolução", um diário sobre a ocupação revolucionária de Bom Jesus. Segundo ele, os revoltosos entraram em nossa cidade às 6 h 30 min do dia 12 de outubro daquele ano, sob o comando militar de Rosental M. Alves:

"Transportam-se em auto-caminhões, munidos de assentos improvisados. Servem-se também de uma 'baratinha' usadíssima. O principal carro em que viajam é um belo Oakland de cor clara e frisos verdes, que fora de uso do prefeito de Itaperuna. Chaufera-o, ainda, o mesmo chauffeur, agora, revoltoso também, lenço ao pescoço, fuzil ao lado..." (p.98)


Interventor Ernâni do Amaral Peixoto, tendo ao lado o deputado dr. Emanuel Pereira das Neves, a diretora Olívia Felício e o Secretário dr. Moura e Silva. Foto de 1954

"Como meu pai ficou próspero, muitas mulheres desejaram casar com ele, mas minha avó Bárbara disse que ele devia casar com uma libanesa. Assim, ele foi ao Líbano e casou-se com minha mãe, retornando em seguida. Durante esta viagem, ele deixou dois amigos tomando conta de seus negócios em Bom Jesus".


Casamento de Cezar Felício e Helena Lofer no Líbano

"Meu pai, como comerciante de café, possuía em seu armazém, cafés que valiam 60 mil réis. Ocorre que, com a crise do café, o mesmo passou a valer 6 mil réis, o que atingiu fortemente a economia de meu pai, que teve que trabalhar para pagar as dívidas. Na época, chegaram a queimar café em Bom Jesus do Norte e onde está situado, atualmente, o Colégio Padre Mello".


Em 1937, Cezar Felício anunciava lança-perfumes no jornal A Voz do Povo


Prossegue ele: "Em 1946, o jornalista Osório Carneiro, de A Voz do Povo, ligado à UDN, era adversário de Zezé Borges. Sentiu-se, então, a necessidade de fundar um jornal que fosse ligado ao PSD. Esio Bastos reuniu, então, diversos líderes políticos que o apoiaram a fundar O Norte Fluminense, que, em seu início, contou como dirigente o Coronel Lao Monteiro. Meu pai, Cezar Felício, era um dos companheiros de Esio Bastos. Com efeito, em 1946, o usineiro José Carlos Pereira Pinto foi eleito senador, com apoio de nosso grupo".



Olívia Felício


"Em 1945, Olívia Felício formou-se professora e Zezé Borges, que era compadre de meu pai, nomeou-a para trabalhar na Escola Típica de Carabuçu. Segundo Olívia, "eu passei muita dificuldade, porque tinha de realizar constantes relatórios para Amaral Fontoura, o responsável pela educação no Estado, relatando a produção da horta. Em 1947, a Escola foi promovida a Grupo Escolar Carabuçu. Nesta época meus pais se mudaram para Carabuçu. Como não haviam professores formados, o Estado contratava pessoas que se formavam no Grupo. O Grupo passou, depois, a se chamar Marcílio Dias e, atualmente, se chama Escola Estadual Marcílio Dias."



Em 1988, quando o Secretário Estadual de Educação, Carlos Alberto Menezes Direito, esteve em Carabuçu, juntamente com Cléverson Rufino Araújo, Chefe do Núcleo de Educação de Bom Jesus do Itabapoana, para a inauguração do refeitório da Escola Estadual Marcílio dias, a diretora Olívia Felício proferiu o seguinte discurso:



            "Hoje é um dia intenso de júbilo para nossa comunidade, Carabuçu orgulhosamente conta com a presença entre nós, da autoridade máxima do ensino em nosso Estado e um dos mais ilustres integrantes do governo Prof. Carlos Alberto Menezes Direito - Nosso eminente Secretário de Educação Administrador na expressão mais ampla, que assumiu sua pasta enfrentando óbvias dificuldades, mas trabalhando, dinamizando, realizando, embora com árduos sacrifícios, uma das mais importantes missões, com vistas ao futuro de nossas gerações. Vivemos hoje uma alegria de há muito ignorada, pois já vai tempo que nossa comunidade não é honrada com a presença de tão ilustre autoridade na área da educação. E não vem de mãos vazias: atentando-se para as metas de Sua Excelência e do Excelentíssimo Governador Moreira Franco, no campo da Educação, vemos finalmente cumpridas, com exemplar objetividade, as obras tão ansiosamente postuladas e dentre elas vale ressaltar uma, em todos os sentidos significativa, no que se relaciona, por assim dizer, com a promoção humana: o refeitório para o nosso Corpo Discente. A partir de agora todos estaremos reunidos também em torno da mesa e, sem delongas, já se pode avaliar a profundidade da iniciativa, na valorização dos pequeninos seres humanos que vivem nesta escola e aqui se preparam, no dia-a-dia, na busca da definição de um ideal de vida. Nossa alegria se justifica mais ainda quando sabemos que o Governo tem seus olhos voltados também para as mais diferentes escolas do nosso interior.
Aqui , Senhor Secretário, se faz presente um intenso esforço, conjugado com nossos abnegados professores e funcionários, todos com dedicação, almejando a formação de nossa juventude, semeando a boa semente.
Vossa excelência, cujos méritos de há muito despontaram na vida pública e de todos admirados, hoje integrado no contexto de um governo que se mostra realizado, vem, em nosso Estado, emprestando, sem rompância, mas com firmeza e dedicação, um trabalho que, a partir do engrandecimento de uma administração e do melhor relacionamento na área da Educação, restara, ao final, reconhecido e consagrado em tida nossa Província. Torna-se importante ressaltar, dentre ai obras aqui realizadas, que o nosso refeitório, particularmente, além do possibilitar a indispensável integração Interpessoal, engajara também condições mais dignas para os nossos alunos, sempre ao encontro do melhor aprimoramento das qualidades de relações humanas que se faz mister, nos dias de hoje. Se vivemos dias de angústia e perplexidade, tenha certeza Senhor Secretario, de que nesta escola e em nosso Município, não faltam á criança amor e disciplina, sempre com o objetivo de ministra-lhes os melhores ensinamentos. De nossa parte, na direção desta escola ha quase quarenta anos, acompanhando todas as suas lutas e dificuldades, Vossa Excelência está nos proporcionando a deliciosa renovação de vida no Magistério, com o estímulo de uma administração correta e Útil ao nosso Estado, cuja medição do êxito, ao final do Governo já se antevê, pelo trabalho e pela capacidade de quem, com Vossa Excelência, tem a plena convicção de que agora, mais do que nunca, se faz mister a necessidade de um estorço irredutível em busca de novos níveis de valores e a Escola tem papel preponderante — na formação das gerações e de homens que saibam ter, um sadio ideal de vida. Em nome de nossa escola, em nome de toda a nossa comunidade, nossos agradecimentos a Vossa Excelência e ao excelentíssimo Senhor Governador Moreira Franco. O povo de Carabuçu saberá reconhecer e aplaudir.
Continue o Governo como começou e cantará vitória.

Muito Obrigada".


Secretário Estadual de Educação, Carlos Alberto Menezes Direito, inaugurou refeitório a E.E. Marcílio Dias em 1988 e recebeu placa de Olívia Felício
Olívia, nascida no dia 13/09/1927, trabalhou na escola de Carabuçu entre 1945 e 1989, quando se aposentou. Teve 86 afilhados no distrito.


Fued Bahig Miguel, primo de Said e Olívia, casou-se com Geny em 1951

Said, por sua vez,  foi agente administrativo no setor de educação, onde se aposentou.

Após a morte de seus pais, Said e a irmã residiram por um período na Escola onde trabalhavam. Posteriormente, venderam a residência de Carabuçu e compraram um apartamento em Niterói. Como não se adaptaram, venderam o apartamento e adquiriram a atual residência, localizada na rua João Rodrigues do Carmo, onde residem desde 1989.

"Sentimo-nos realizados e orgulhosos de nossa descendência libanesa", finalizaram Said e Felícia.


Said Felício


Olívia Felício

2 comentários:

  1. 44 anos de Magistério!!! Parabéns, Olívia!

    ResponderExcluir
  2. E uma delicia tomar conhecimento da historia do meu Bom Jesus do Itabapoana, https://www.youtube.com/watch?v=hfR8WbrRbtY

    ResponderExcluir